Correios dizem que operam com 93,3% dos funcionários

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

De acordo com nota, toda rede de atendimento está aberta e todos os serviços estão disponíveis

Agência Brasil

A greve dos trabalhadores dos Correios não afetou a prestação de serviços da estatal. Por meio de nota divulgada nesta quinta-feira (12), a empresa informou que está operando normalmente, com 93,3% do efetivo trabalhando, segundo o sistema eletrônico de presença. Isso corresponde a cerca de 116 mil dos 123 mil trabalhadores dos Correios.

De acordo com a nota, toda a rede de atendimento está aberta e todos os serviços, inclusive Sedex e Banco Postal, estão disponíveis, mas com alguns problemas pontuais na entrega de encomendas com hora marcada e no Disque Coleta – serviço de coleta domiciliar de encomendas. A empresa informa, ainda, que algumas entregas, como telegramas, poderão ser feitas com atraso.

Leia também:
Funcionários dos Correios entram em greve em vários Estados do País
Pelo menos seis dos 35 sindicatos estão em greve, dizem Correios

Futura Press
Funcionários dos Correios fazem protesto na avenida Paulista nesta quinta-feira (12)

Para manter a continuidade dos serviços de entrega de cartas e encomendas, a estatal adotou medidas como deslocamento de funcionários, pagamento de horas extras, contratação temporária de servidores e mutirões para entregas nos fins de semana.

A Fentect, entidade que agrega 29 dos 35 sindicatos que representam trabalhadores dos Correios, reivindica 7,13% de aumento, alegando defasagem salarial causada pela inflação recente, mais 15% de aumento real e R$ 200 de aumento linear para todos os 123 mil servidores. Além disso, pede 20% de aumento pelas perdas salariais ocorridas desde o Plano Real.

Os Correios alegam não ter condições de atender às reivindicações da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresa de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect). Segundo o órgão, atender às demandas causaria impacto de R$ 31,4 bilhões sobre a folha de pagamentoo, o equivalente a "quase o dobro da previsão de receita” para este ano, “ou o equivalente a 50 folhas mensais de pagamento da ECT” como um todo.

Ainda de acordo com a estatal, 65% das receitas de vendas são destinados ao pagamento de salários, benefícios e encargos. Na nota, informa que, entre 2003 e 2012, o ganho real dos trabalhadores foi 36,91%. O percentual estaria, segundo a empresa, “acima da inflação do período”.

Além das reivindicações salariais, o diretor da Fentect, James Magalhães, afirma que outro ponto que preocupa os trabalhadores é o sucateamento do Correios Saúde, plano que atualmente é administrado pelo setor de recursos humanos da empresa. “Desde 2009, eles vêm sucateando o plano. Fecharam vários ambulatórios dentro dos Correios. Agora querem repassá-lo à iniciativa privada, sob o nome de Postal Saúde, prejudicando também esse direito dos trabalhadores”.


Leia tudo sobre: correiosgrevebrasil

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas