Antes do ataque , o grupo divulgou uma mensagem nas redes sociais: "Antes que eles comecem com a porrada, vamos começar a nossa"

Agência Estado

O grupo Anonymous Brasil derrubou neste sábado os sites da Polícia Militar do Rio de Janeiro e do Distrito Federal. Em sua conta do Twitter, os hackers deixaram por volta do meio-dia a seguinte mensagem: "Antes que eles comecem com porrada, vamos começar a nossa". O site da PM do Rio de Janeiro já voltou ao ar, mas o do Distrito Federal continua sem possibilidade de acesso.

Nesta sexta-feira, o grupo também invadiu o site do PMDB e postou um vídeo criticando a atuação da polícia durante os protestos. "Em vez de intimidar, polícia deveria proteger manifestantes de grupos infiltrados", diz a mensagem.

O vídeo afirma que enquanto governos proíbem o uso de máscaras pelos manifestantes, deputados "se escondem" atrás de votos secretos. Ainda na sexta-feira o PMDB tirou o site do ar, que ainda não retornou.

A mensagem já tem mais de 60 mil visualizações no YouTube e convoca os internautas a se manifestarem nas ruas. Eles pedem por mudanças, em vez de "pronunciamentos vazios da Presidente".

Em agosto, Anonymous já havia invadido o site do partido em duas ocasiões. Nas duas vezes, o Anonymous Brasil questionava o governador Sérgio Cabral (PMDB) sobre o paradeiro de Amarildo de Souza, desaparecido desde 14 de julho após ser detido por policiais na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na Rocinha.

O dia 7 de setembro está sendo marcado por diversos protestos. Manifestantes já estão nas ruas em cidades de todos os Estados do Brasil. A pauta de reivindicações é ampla, indo desde o combate à corrupção à reforma tributária.

No Rio de Janeiro o clima entre manifestantes e policiais continua tenso, com detenções e tumultos sendo contidos pela PM com bombas de gás.

Em Brasília, um grupo de manifestantes protesta em frente ao Congresso Nacional. A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal estima que há cerca de 450 pessoas no local. A PM do Distrito Federal reage com spray de pimenta toda vez que algum manifestante toca em algum soldado posicionado na barreira em frente ao Congresso.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.