7 de Setembro tem protestos em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Internautas também marcaram manifestações pelas redes socias para outras 140 cidades no dia da Independência

O feriado de Independência do Brasil, comemorado neste sábado (7), será um dia de manifestações pelo País. Internautas convocaram protestos para pelo menos 149 cidades, mas as manifestações de Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro são as que devem atrair o maior número de pessoas. Se todas as pessoas que confirmaram presença nas redes sociais forem ao ato, as três capitais podem registrar passeatas com, respectivamente, 28 mil, 21 mil e 16 mil pessoas.

Decisões judiciais lançam ofensiva contra 'mascarados' antes do 7 de Setembro
Entenda: Após protestos, Black Blocs chegam à segunda geração no Brasil

Confronto entre policiais e manifestantes durante desfile de 7 de setembro no Rio de Janeiro . Foto: ReutersConfronto entre policiais e manifestantes durante desfile de 7 de setembro no Rio de Janeiro . Foto: ReutersConfronto entre policiais e manifestantes durante desfile de 7 de setembro no Rio de Janeiro . Foto: ReutersPolícia dispara bombas de gás lacrimogêneo em manifestantes durante protesto contra corrupção no Rio de Janeiro. Foto: Futura PressPolícia dispara bombas de gás lacrimogêneo em manifestantes durante protesto contra corrupção no Rio de Janeiro. Foto: Futura PressManifestante chuta lata de gás lacrimogêneo em protesto durante desfile de 7 de setembo no Rio de Janeiro . Foto: ReutersManifestação contra corrupção durante desfile de 7 de setembro no Rio de Janeiro . Foto: Futura PressManifestação contra corrupção durante desfile de 7 de setembro no Rio de Janeiro . Foto: Futura PressManifestação é detido pela polícia durante protestos no Rio de Janeiro. Foto: Futura PressPolícia prende manifestante durante protesto no Rio de Janeiro. Foto: ReutersManifestante é socorrida por paramédicos durante protestos no Rio de Janeiro. Foto: ReutersManifestação carrega cartaz que remete a ações abusivas da polícia. Foto: Futura PressManifestação contra corrupção durante desfile de 7 de setembro no Rio de Janeiro . Foto: Futura PressManifestação é detido pela polícia durante protestos no Rio de Janeiro. Foto: ReutersManifestação contra corrupção durante desfile de 7 de setembro no Rio de Janeiro . Foto: ReutersManifestação contra corrupção durante desfile de 7 de setembro no Rio de Janeiro . Foto: Futura PressPolícia prende manifestante durante protesto no Rio de Janeiro. Foto: ReutersManifestante chuta lata de gás lacrimogêneo em protesto durante desfile de 7 de setembo no Rio de Janeiro . Foto: Reuters Justiça deu autorização para que forças de segurança identifiquem manifestantes mascarados. Foto: ReutersManifestação contra corrupção durante desfile de 7 de setembro no Rio de Janeiro . Foto: Futura PressManifestação contra corrupção durante desfile de 7 de setembro no Rio de Janeiro . Foto: Reuters Justiça deu autorização para que forças de segurança identifiquem manifestantes mascarados. Foto: ReutersManifestantes depredam carro da polícia militar durante protesto contra corrupção. Foto: Futura PressManifestação contra corrupção durante desfile de 7 de setembro no Rio de Janeiro . Foto: Futura PressManifestação contra corrupção durante desfile de 7 de setembro no Rio de Janeiro . Foto: Futura PressManifestação contra corrupção durante desfile de 7 de setembro no Rio de Janeiro . Foto: Futura PressManifestação contra corrupção durante desfile de 7 de setembro no Rio de Janeiro . Foto: Futura Press Justiça deu autorização para que forças de segurança identifiquem manifestantes mascarados. Foto: Reuters

As reivindicações do ato, escolhidas “em votação pública aberta” de acordo com os criadores do evento, serão a “prisão dos condenados no julgamento do mensalão, aprovação da Lei de Combate à Corrupção, redução do número de deputados, reforma tributária, fim do voto obrigatório e aprovação do novo Plano Nacional de Educação (PNE)”. Ainda segundo a página referente à “Operação Sete de Setembro”, o protesto tem apoio de grupos como o Anonymous Brasil e Brasil Contra Corrupção, entre outros.

AP
Em Brasília e no Rio de Janeiro, mascarados serão obrigados a se identificar

As manifestação de 7 de Setembro terão neste ano, no entanto, um motivo a mais para terminar em confusão ou confronto. Isso porque a Justiça deu autorização para que forças de segurança identifiquem manifestantes mascarados. É o caso, justamente de Brasília e Rio de Janeiro. Isso em repressão, principalmente, aos grupos que ganharam força nos protestos de junho e adotam a estratégia Black Bloc, que consiste em se vestir de preto e cobrir o rosto, para não ser identificado, com o objetivo de destruir propriedade para questionar o Estado

São Paulo

Na capital paulista, todas os eventos criados por internautas colocam como ponto de encontro dos manifestantes o vão livre do Museu de Arte de São Paulo (MASP), na avenida Paulista, às 14h. Além disso, há duas páginas que convocam usuários para protestar pela renúncia do senador Renan Calheiros (PMDB-AL).

Protestos:
Brasília terá segurança reforçada para eventos do 7 de Setembro
PM do Rio de Janeiro diminui participação no desfile da Independência
Fortaleza tem desfile cívico e protesto no Sete de Setembro

Nem mesmo o Desfile Cívico e Militar, marcado para acontecer no Sambódromo do Anhembi, a partir das 10h, vai passar em branco. O deputado Major Olímpio (PDT-SP), que almeja se candidatar ao governo do Estado, organizou um ato nas arquibancadas contra o governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP), que estará presente na cerimônia.

“Estamos convidando associações de policiais civis, militares, famílias e funcionários do sistema prisional. Vamos protestar contra o descaso do governo com as carreiras de segurança pública e contra a não abertura de uma CPI para apurar esse desvio de recursos em licitações do Metrô de São Paulo”, afirmou o deputado. Ele disse ainda que irá pedir para os participantes da cerimônia virarem de costas para o governador. “Em 2009, toda a arquibancada aderiu”, respondeu sem precisar o número de manifestantes.

Brasília

Os eventos programados para feriado, na capital federal, deverão reunir cerca de 150 mil pessoas em um raio de cinco quilômetros (km) na área central da cidade, onde fica a Esplanada dos Ministérios. Pela manhã, estão sendo organizadas por meio das redes sociais diversas manifestações, com concentrações marcadas principalmente para ocorrer na praça do Museu Nacional da República, na Esplanada, próximo à catedral.

O desfile cívico está previsto para começar às 9h10, na Esplanada, em frente ao Palácio do Planalto, e vai contar com a presença da presidente Dilma Rousseff. Por isso, a segurança no local também será feita pelas Forças Armadas. Segundo o Ministério da Defesa, há uma tropa destinada para atuar em caso de reforço.

Além disso, a segurança vai ser reforçada por conta do amistoso entre o Brasil e a Austrália, no Estádio Nacional Mané Garrincha, às 16h14. Na área do estádio, haverá um adicional de aproximadamente 2 mil policiais militares. "Há expectativa de muitas movimentações sociais em razão do 7 de Setembro e do jogo do Brasil. Estamos procurando, com o serviço de inteligência, nos antecipar a eventuais manifestações que usem de maior agressividade e violência, para tentar impedir isso", informou o secretário de Segurança Pública do DF, Sandro Avelar.

Rio de Janeiro

Na capital fluminense, a Polícia Militar vai diminuir sua participação no desfile da Independência por conta da previsão de protestos pela cidade. Com isso, o tradicional desfile de 7 de Setembro, marcado para começar a partir das 7h30, na avenida Presidente Vargas, na no centro, vai ficar desfalcado. O porta-voz da corporação, tenente-coronel Cláudio Costa Oliveira, explicou que a mudança será feita para aumentar a segurança das ruas.

Na página do grupo Black Bloc, no Facebook, foi convocado um ato paralelo ao desfile. No mesmo local, está marcada para começar às 9h a manifestação popular do Grito dos Excluídos, que desde 1995 reúne no Dia da Independência, entidades, indivíduos, movimentos sociais e religiosos comprometidos com as causas dos excluídos. Também estão agendados nas mídias sociais o bloco Antiproibicionista, às 10h, em frente ao Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (Ifics), da Universidade Federal do Rio, no centro; o manifesto Fora Renan, às 17h, na Cinelândia; e o ato Independência de Quem?, também às 17h, no Largo do Machado, na zona sul da cidade.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas