Mata que fica sob as linhas de transmissão estava com porte incorreto, o que caracteriza falta de limpeza

Agência Brasil

O local onde ocorreu a queimada que ocasionou a queda de energia elétrica que deixou a Região Nordeste sem luz por algumas horas na última quarta-feira (28) apresenta vegetação de porte inadequado sob as linhas de transmissão, o que caracteriza falta de limpeza das faixas. A conclusão é da inspeção feita na semana passada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na Fazenda Santa Clara, no Piauí.

Leia também:
Ministério Público abre inquérito para investigar causas de blecaute no Nordeste
Governo diz que apagão foi provocado por queimada em fazenda no Piauí

A Aneel informou que vai abrir um processo administrativo para determinar a responsabilidade e as punições devidas. “Em virtude das evidências de que a queimada da vegetação causou os desligamentos, a agência instruirá os consequentes processos administrativos para a determinação das responsabilidades e punições previstas na regulamentação setorial”, diz nota da entidade.

Estabelecimentos são prejudicados após blecaute que atingiu nove Estados do Nordeste
Romildo de Jesus/Futura Press
Estabelecimentos são prejudicados após blecaute que atingiu nove Estados do Nordeste

A fiscalização da agência inspecionou as faixas das linhas de transmissão Ribeiro Gonçalves–São João do Piauí, para identificar as causas dos desligamentos ocorridos na última quarta-feira (28). A operação foi acompanhada por técnicos do Ministério de Minas e Energia (MME) e do Operador Nacional do Sistema (ONS). As linhas de transmissão são operadas pelas concessionárias Transmissora Aliança de Energia Elétrica (Taesa) e Interligação Elétrica Norte Nordeste (Ienne).

Segundo o ONS, o blecaute foi provocado pelo desligamento automático de duas linhas de transmissão que interligam os sistemas Sudeste/Centro-Oeste com o Nordeste, localizadas entre as subestações Ribeiro Gonçalves e São João do Piauí, no interior do Piauí, onde foram identificados focos de queimadas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.