Mais Médicos proíbe prefeituras de demitir profissionais já contratados

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Sistema impede que médico participante do programa seja direcionado a postos que estavam ocupados antes

Agência Brasil

Depois de denúncias de que prefeituras estariam demitindo médicos para receber profissionais do Mais Médicos, pagos pelo governo federal, o Ministério da Saúde esclareceu que o termo de adesão ao programa proíbe os municípios de demitir os profissionais contratados. "Os municípios que descumprirem essa regra serão excluídos do programa, com remanejamento dos médicos participantes para outras cidades", declarou em nota a pasta.

Raros no programa, casais de médicos se unem para enfrentar distância de casa

De acordo com o Ministério da Saúde, o controle está sendo feito pelo sistema do Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde (Cnes), que impede que o médico participante do programa seja direcionado a postos que estavam ocupados antes da adesão do município. Os médicos já cadastrados na atenção básica foram impedidos de se inscrever no programa para atuar no município onde já trabalha, o que impede a migração de profissionais para a bolsa do Mais Médicos em uma mesma cidade.

Agência Brasil
Desde 2ª feira, médicos, de diversas nacionalidades, além de brasileiros formados no exterior, participam do módulo de acolhimento e avaliação

As prefeituras inscritas são obrigadas a manter o número de médicos na atenção básica, sem ter os profissionais do Mais Médicos. A pasta explica que os médicos contratados pelo governo federal só poderão ser incluídos para expandir a capacidade de atendimento, formando novas equipes de atenção básica ou preechendo vagas nas quais faltavam profissionais.

Mais:
Cubanos chegam e dizem que dinheiro fica em 2º lugar
"Me sinto totalmente preparado", diz formado na Argentina

O ministério explica que, enquanto participarem do Mais Médicos, os municípios só poderão desligar médicos da atenção básica em situações excepcionais justificadas à coordenação nacional do Programa Mais Médicos, como, por exemplo, descumprimento comprovado de carga horária e/ou outra falha ética ou profissional do médico.

Leia tudo sobre: Mais Médicosgoverno federalmédicos cubanossaúde

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas