Ao menos oito capitais têm paralisações de categorias. Atos fazem parte do Dia Nacional de Manifestação e Luta

A Força Sindical e outras centrais sindicais celebram em todo o País, nesta sexta-feira, o Dia Nacional de Manifestação e Luta. O objetivo dos sindicalistas é chamar a atenção do Congresso Nacional e os governos federal e estaduais para a classe trabalhadora. Avenidas e rodovias em pelo menos oito capitais sofrem interdições durante os atos. Diversas categorias promoteram parar no dia de hoje. 

Liminar da Justiça impediu paralisação dos ônibus em São Paulo
Salvador amanhece sem ônibus e com estradas bloqueadas
Manifestantes bloqueiam portaria principal da USP com pneus em chamas

Veja imagens de manifestações pelo País nesta sexta:

Os protestos já foram vistos nos Estados da Bahia, Ceará, Espirito Santo, Minas Gerais, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. O transporte público tem sido afetado durante os atos. Em Fortaleza (CE), por exemplo, sindicalistas bloquearam a saída de coletivos dos sete terminais da cidade. Há informações de confronto entre mebros da CUT e policiais militares. 

Protestos com trabalhadores complicam trânsito nas vias de São Paulo

Em dia de protestos, delegacias de Salvador só atendem emergências

11 de julho: Manifestação na av. Paulista reúne sindicatos e demandas diferentes

Além das causas sindicais, movimento sociais aproveitam o dia para pedir melhorias nas sistemas de saúde e moradia. Em São Paulo, no final da madrugada desta sexta-feira, um protesto bloqueou a rodovia Anchieta. Por volta das 5h, moradores do Conjunto Habitacional Imigrantes iniciaram uma marcha, sentido Anchieta. O local foi liberado por volta das 9 horas. 

Os protestos fazem parte do Dia Nacional de Mobilização e Paralisação, que tem entre as reivindicações redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais sem redução salarial, valorização das aposentadorias, rejeição ao Projeto de Lei 4.330/04, que regulamenta a terceirização nos serviços público e privado, além da destinação de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para a educação, de 10% do orçamento da União para a saúde e melhorias no transporte público.

*com Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.