"É um imenso preconceito", afirma Dilma sobre reação contra médicos cubanos

Por iG São Paulo | - Atualizada às

Texto

Cubanos foram vaiados e hostilizados por médicos brasileiros após curso em Fortaleza na noite de segunda

A presidente Dilma Rousseff criticou nesta quarta-feira (28) os que têm preconceito contra a presença dos médicos cubanos no Brasil. Em entrevista a rádios de Minas Gerais, ela ressaltou que há também médicos de outros países, além de Cuba. A presidente reiterou que os estrangeiros estão no Brasil para desempenhar o trabalho que os médicos brasileiros não querem fazer.

Leia também:
Padilha condena ação de médicos que hostilizaram cubanos
Apesar de xingamentos, médico cubano diz que cumprirá missão no Brasil

Alan Sampaio / iG Brasília
Médicos cubanos desembarcam no aeroporto de Brasília

"É um imenso preconceito sendo externado contra os cubanos. É importante dizer que os médicos estrangeiros, não só cubanos, vêm ao Brasil para trabalhar onde médicos brasileiros formados aqui não querem trabalhar”, disse ela.

Nesta terça-feira (27), o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, já havia lamentado a postura de cerca de 50 médicos de Fortaleza que, na noite desta segunda-feira (26) fizeram um corredor polonês para xingar e vaiar 79 médicos cubanos do programa Mais Médicos, do governo federal, que saíam de um curso na Escola de Saúde Pública do Ceará.

"Foram atitudes truculentas, incitaram o preconceito e a xenofobia. Eles (os médicos de Fortaleza) participaram de um verdadeiro corredor polonês da xenofobia, atacando médicos que vieram de outros países para atender a população apenas naqueles municípios onde nenhum profissional quis fazer atendimento", disse Padilha.

Também ontem, a Federação Nacional dos Médicos (Fenam) solicitou à Procuradoria-Geral do Trabalhoinvestigação da relação de trabalho dos profissionais que atuarão pelo Mais Médicos. A entidade alega que o fato de os médicos não revalidarem os diplomas vai causar restrição de locomoção, o que, segundo a entidade, é uma das características do trabalho escravo.

Fim de semana:
Médicos cubanos chegam em meio a tumulto de manifestantes em Fortaleza
Cubanos chegam e dizem que dinheiro fica em 2º lugar

Pelas regras do governo, todos os profissionais do Mais Médicos receberão uma “bolsa formação” pelo serviço nas regiões carentes. Não haverá contrato de trabalho. O Ministério da Saúde é favorável à concessão de pagamento por intermédio de bolsa porque os médicos farão uma especialização na atenção básica ao longo dos três anos de atuação no programa.

No caso dos médicos cubanos, eles atuarão no Brasil em regime diferente dos que se inscreveram individualmente no Mais Médicos. O Ministério da Saúde brasileiro firmou acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) para que a entidade internacional buscasse parcerias para a vinda de médicos para o país. Pelo acordo, a Opas fez acordo com Cuba, prevendo inicialmente a vinda de 4 mil médicos cubanos. Os primeiros 400 profissionais desse acordo a chegarem no país vão atuar em parte das 701 cidades que não receberam inscrições individuais de médicos.

No acordo, os repasses financeiros serão feitos do Ministério da Saúde para a Opas. A entidade repassará as quantias ao governo cubando, que pagará os médicos. Inicialmente nem a Opas nem o Ministério da Saúde souberam especificar quanto dos R$ 10 mil pagos por médico será repassado para os profissionais, porém, o secretário adjunto de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Fernando Menezes, disse depois que a remuneração ficaria entre R$ 2,5 mil e R$ 4 mil.

A polêmica governo x médicos:


* Com AE e Agência Brasil

Texto

notícias relacionadas