Segundo ministro, Mais Médicos é algo aceito internacionalmente como uma estratégia de saúde

Agência Estado

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, disse nesta quinta-feira (22), que a importação de médicos cubanos, anunciada na última quarta-feira, pelo governo, tem uma característica humanitária, e não um viés ideológico.

Leia também: Governo vai contratar 4 mil médicos cubanos

"Essa decisão foi tomada considerando-se o melhor serviço possível, não tem uma motivação ideológica", afirmou. "Existem muitos médicos cubanos dispostos a fazer esse trabalho. Talvez não tenham tantos austríacos, por exemplo".

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota
Agência Brasil
O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota

Patriota participa de uma audiência pública na Comissão de Relações Exteriores da Câmara e foi questionado pelo deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), que é médico.

O deputado perguntou se havia algum tipo de acordo, um "escambo" entre Brasil e Cuba para trocar investimentos, como a construção do Porto de Mariel, próximo a Havana, financiado pelo governo brasileiro, e a vinda dos médicos.

"Não existe 'escambo', isso nunca nos passou pela cabeça. São iniciativas totalmente distintas. O Mais Médicos trata da carência de médicos no País. Muitos países recorrem à vinda de médicos estrangeiros, é algo aceito internacionalmente como uma estratégia de saúde", afirmou.

Mais:
Governo acerta vinda dos primeiros médicos cubanos para o Brasil
Governo quer que médicos estrangeiros cheguem o mais rápido possível

O ministro também foi questionado se os contratos com os cubanos, que não receberão todo o valor pago pelo governo, não preocupa. Patriota lembrou que o contrato é feito via Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), o que garante que os procedimentos são os melhores possíveis. "Se houver algum problema, tenho certeza que a Opas será a primeira a velar para que seja corrigido", disse.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.