Para Receita, há indícios de crimes de sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica

Agência Estado

A Receita Federal e a Polícia Federal (PF) deflagraram, nesta quinta-feira (15), em Maceió (AL), uma operação que investiga um esquema envolvendo uma concessionária de automóveis suspeita de sonegação fiscal milionária na capital alagoana. A Receita informou que há indícios da prática dos crimes de sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. Apurações preliminares apontam indícios de omissão de receitas e rendimentos da ordem de R$ 300 milhões nos últimos cinco anos.

Leia também: Brigas internas e estratégia do Planalto travam operações da PF contra corrupção

Estão sendo cumpridos quatro mandados de prisão, oito conduções coercitivas e 24 mandados de busca e apreensão em residências e empresas pertencentes ao grupo investigado. A Justiça Estadual de Alagoas também decretou o bloqueio de contas bancárias pertencentes aos suspeitos. Participam da operação 25 servidores da Receita Federal e 70 policiais federais.

Segundo a Receita, o principal investigado ocultou do fisco sua rápida evolução patrimonial utilizando-se de diversos familiares para a constituição de empresas, a movimentação de recursos financeiros e a ocultação de patrimônio. As ações ocorrem simultaneamente em Maceió, Arapiraca, Branquinha e Anadia (AL) e em Feira de Santana (BA). A Receita explica que o nome dado à operação - "Abdalônimo" - remete à antiga Macedônia, onde um homem pobre, que tinha este nome, foi indicado por Alexandre, O Grande, para ser rei, passando abruptamente da pobreza à riqueza. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.