Governo quer que médicos estrangeiros cheguem o mais rápido possível

Por Luciana Lima - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

A intenção do governo é enviar estrangeiros para municípios do interior que não fizeram parte da escolha dos profissionais inscritos na 1ª fase do Mais Médicos

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, informou que é interesse do governo que o contingente de médicos cubanos chegue ao Brasil “o mais rápido possível” para atuarem principalmente nos 703 municípios que não foram escolhidos por nenhum médico na primeira fase de seleção do programa, encerrada nesta terça-feira (13).

Entenda: Mais Médicos preenche 10,5% das vagas e chama 358 estrangeiros

Agência Brasil
Padilha explica contratação de médicos estrangeiros em comissão nesta quarta-feira

Padilha não precisou quantos médicos virão por meio de acordo bilateral com Cuba e nem a data precisa da chegada, já que ainda aguarda um retorno da Organização Pan Americana de Saúde que vem intermediando o acordo. “Isso tem que acontecer o mais rápido possível”, disse. 

“Não sei precisar o número nem a data, mas Cuba já nos ofereceu cerca de 6 mil médicos e é do interesse do governo brasileiro que eles cheguem o mais rápido possível para atuar nesses 703 municípios que não foram escolhidos por nenhum dos médicos inscritos no programa na primeira fase de inscrição”.

Governo acerta vinda dos primeiros médicos cubanos para o Brasil

Mais Médicos seleciona apenas 6% da demanda total de profissionais no País

Nesta quarta-feira, o iG revelou que as negociações com Cuba estão em estágio avançado. Dentro do acordo bilateral que está sendo amarrado pelo ministério, cerca de 300 médicos do país já estão prontos para embarcar com destino ao Brasil, o que pode ocorrer já no fim deste mês.

Dos 3.511 municípios que se inscreveram para receberem médicos do programa, 1.557 são considerados prioritários por estarem localizados em áreas de risco ou mesmo no interior do País, em condições pouco atrativas para os profissionais. Nesse grupo de cidades é que estão inseridos os 703 municípios que não figuram nem como segunda intenção dos inscritos.

“A nossa prioridade nas parcerias com países, com universidade, com organizações não governamentais e outros instrumentos de cooperação será exatamente atender esses 703 municípios que não tiveram nenhuma escolha”, disse. O próprio ministro tem se empenhado em amarrar os acordos bilaterais para a vinda dos médicos. 

Leia mais

Mais da metade dos brasileiros aprova contratação de médicos estrangeiros
Importação de médicos, engenheiros e ... professores e pipoqueiros?
Ministério informa que 715 médicos estrangeiros foram selecionados para o SUS
Dirigentes de entidades médicas criticam modelo do Mais Médicos

Esses acordos fazem parte de uma das formas de recrutamento. Há também a forma convencional, por meio de inscrição prevista nos editais. A primeira seleção cobriu 10,5% das 15.460 vagas.

O programa Mais Médicos homologou a adesão de 1.618 médicos. Destes inscritos, 1.096 médicos são brasileiros com diplomas registrados no Brasil. Há ainda 522 médicos com diploma de instituições estrangeiras, sendo que 358 médicos são estrangeiros e 164 são brasileiros com diplomas registrados em outros países.

Dos inscritos na primeira fase, a maior parte é de argentinos, com 147 inscritos. Em segundo lugar estão os espanhóis, com 100 inscritos. Cuba ocupa o terceiro lugar em números de inscritos, com 74 médicos, seguida por Portugal, com 45 inscritos, Venezuela, com 42 inscritos; México, com 26, e Uruguai, com 25 médicos inscritos.

A previsão do governo é que esses médicos cheguem até o final de agosto. Eles passarão por uma etapa de acolhimento e de avaliação nas universidades públicas que deve durar três semanas.

Na próxima segunda-feira (19), o governo dará início à segunda etapa de inscrições tanto para municípios que não participaram da primeira fase, quanto para médicos. O edital será publicado na sexta-feira (16). O governo espera que esse segundo grupo chegue ao Brasil até início de outubro.

Leia tudo sobre: mais médicospadilhamédicos estrangeiros

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas