Primeiro fim de semana de agosto será de tempo seco na maior parte do Brasil

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Dias serão de sol, temperatura em elevação e com céu azul. Alerta é para baixos níveis de umidade relativa do ar, principalmente no Centro-Oeste

Agosto começa sob a influência de uma forte massa de ar seco que predomina sobre a maior parte do Brasil, segundo a Climatempo. Neste primeiro fim de semana do mês, os dias serão de sol, temperatura em elevação, com céu azul praticamente sem nuvens na maior parte do país.

Veja a previsão do tempo para a sua cidade

Leia também: Tempo seco deixa capital em atenção e cidades do interior paulista em alerta

O alerta é para baixos níveis de umidade relativa do ar, principalmente nos estados que compõem o Brasil Central. No Sul, uma frente fria favorece o retorno da chuva, que pode ser forte e acompanhada de raios em alguns momentos.

No Norte, áreas de instabilidade formadas por causa do calor associado ao excesso de umidade provocam temporais em pontos isolados. Na costa leste nordestina e em São Luís, a umidade vinda do oceano ajuda a formar muitas nuvens que provocam pancadas de chuva.

Confira como fica a previsão para a sua região, segundo o Climatempo:

Sudeste

Nesta sexta-feira e durante o fim de semana, o resfriamento durante a madrugada favorece a formação de nevoeiro em algumas áreas paulistas, inclusive na capital, no Rio de Janeiro e na zona da mata mineira. Ao longo da tarde, a forte massa de ar seco predomina e deixa o tempo firme em todo o Sudeste do Brasil. Por causa da presença deste sistema, diversas áreas, exceto as litorâneas, podem registrar índices de umidade relativa do ar entre 12% e 20%, o que representa nível de alerta, segundo os padrões da OMS – Organização Mundial da Saúde.

Durante o entardecer de domingo (4), por causa da aproximação de uma frente fria já enfraquecida, as nuvens se espalham sobre a faixa leste de São Paulo, mas não há previsão de chuva.

Amanhã (2), a passagem recente de um ciclone extratropical pelo Atlântico Sul, ao largo da costa da Argentina, provocou uma sequência de ondas, tecnicamente chamadas de swell, que já chegaram ao litoral do Sudeste do Brasil. O alerta é para o litoral fluminense, onde pode haver ressaca e a altura das ondas fica entre dois metros e meio e três metros. No litoral paulista, as ondas terão em torno de dois metros. Nas praias do capixabas o mar sobe no decorrer do dia, e a partir da tarde as ondas podem atingir dois metros e meio. Até domingo, a agitação marítima ainda será significativa.

Sul

Nesta sexta-feira (2), uma frente fria passa ao largo do litoral do Sul do Brasil e espalha muitas nuvens sobre parte da região. No centro-sul gaúcho, o céu fica nublado com chuva de até forte intensidade ao longo do dia, sendo que em Uruguaiana os maiores volumes estão previstos durante a manhã. A Climatempo alerta para queda de raios e ventos fortes. No norte do estado, a nebulosidade predomina, mas ainda ocorrem breves aberturas de sol. Entre a tarde e a noite, em Florianópolis, no oeste catarinense e em Foz do Iguaçu, a chuva acontece de forma isolada. No Vale do Itajaí e nas demais áreas paranaenses, o ar seco predomina, faz calor e não chove.

No sábado (3), a frente fria se afasta, mas um sistema de baixa pressão se organiza como uma nova frente fria, o que reforça as áreas de instabilidade sobre a região. Entre São Luiz Gonzaga e Porto Alegre, o dia amanhece cheio de nuvens e a chuva acontece entre a tarde e a noite. No norte gaúcho, no sul e oeste de Santa Catarina, o céu fica nublado e com chuva, que pode ser forte e acompanhada de raios em alguns momentos. No Vale do Itajaí e em Foz do Iguaçu, a nebulosidade predomina e chove a qualquer hora intercalando com períodos de melhoria. Nas demais áreas, o sol predomina e não há previsão de chuva.

No domingo (4), a frente fria se desloca lentamente para o Sudeste do Brasil, mas ainda deixa muitas nuvens sobre o centro-norte gaúcho, em Santa Catarina e no sudoeste do Paraná. Nestas áreas, o dia amanhece com céu nublado e com chuva, que pode ser forte em alguns momentos. A possibilidade descargas elétricas não está totalmente descartada. Porém, ao longo da tarde, a nebulosidade perde força e o sol aparece, mas sempre entre nuvens e não chove. Nas demais localidades do Sul, o sol predomina e não chove.

As grandes ondas geradas pela recente passagem de um ciclone extratropical no oceano, ao largo da costa da Argentina, já chegaram ao litoral sul do Brasil. Entre o litoral gaúcho e paranaense, a altura das ondas varia entre um e dois metros de altura. Até o fim de semana, a agitação marítima ainda será significativa.

Centro-Oeste

Nesta sexta-feira (2) e durante o fim de semana, uma forte massa de ar seco predomina e inibe a formação de nuvens de chuva sobre todo o Centro-Oeste do Brasil. Com a presença deste sistema, os índices de umidade relativa do ar podem ficar entre 12% e 20%, que caracteriza nível de alerta, segundo os padrões da OMS – Organização Mundial da Saúde.

Ao longo das tardes, com as poucas nuvens no céu e o sol forte, a temperatura passa dos 30°C em muitas cidades, sendo que no norte do Mato Grosso o termômetro chega próximo dos 40°C. Na região do Distrito Federal, inclusive a capital, a previsão é de que os termômetros fiquem em torno os 29°C.

Norte

Nesta sexta-feira (2), o sol brilha forte na maior parte do Norte do Brasil. No centro-sul do Acre e do Pará, inclusive em Altamira e em Tucuruí, no sul do Amazonas e no Tocantins, a forte massa de ar seco predomina e inibe a formação de nuvens de chuva. No noroeste amazonense, no centro-norte de Roraima e no centro-leste do Amapá, áreas de instabilidade formadas por causa do tempo quente, úmido e abafado provocam chuva a qualquer hora com até forte intensidade. Nas demais áreas, o calor e o excesso de umidade favorecem o crescimento de nuvens e as pancadas ocorrem a partir da tarde, mas de forma isolada.

No sábado (3), as áreas de instabilidade ganham força e provocam chuva a qualquer hora no centro-norte do Acre, no norte e oeste do Amazonas, no centro-sul de Roraima e no leste do Amapá. Em Rondônia, no sudeste do Amazonas, em Altamira, Tucuruí e no Tocantins, o ar seco segue a predominar e o tempo fica firme. Nas demais áreas da região, o excesso de calor e a alta umidade favorecem as pancadas de chuva em pontos isolados. Faz bastante calor em toda a região.

No domingo (4), as áreas de instabilidade persistem sobre o noroeste do Amazonas, em Roraima e no centro-leste do Amapá (por influência da ZCIT – Zona de Convergência Intertropical) a nebulosidade predomina intercalando aberturas de sol. As pancadas de chuva estão previstas com até forte intensidade a qualquer hora. No sudeste amazonense, em Altamira, Tucuruí e no Tocantins, o sol brilha forte e não há previsão de chuva. Nas demais áreas, por causa do tempo quente, úmido e abafado, as nuvens se formam com facilidade e as pancadas ocorrem em pontos isolados.

Nordeste

Nesta sexta-feira (2), o sol brilha forte na maior parte do Nordeste do Brasil. Em São Luís e na faixa litorânea entre Salvador e Recife, os ventos úmidos que sopram do oceano favorecem o aumento de nuvens e a chuva acontece de forma passageira, exceto no litoral maranhense, onde há mais nuvens e as pancadas são mais frequentes. No centro-sul de Pernambuco, Sergipe, Alagoas e na região de Paulo Afonso, a umidade que o vento traz do mar favorece o aumento de nuvens, mas não chove. Nas demais áreas, o ar seco ganha força, faz bastante calor e não chove. A Climatempo alerta umidade relativa do ar entre 12% e 20%, que é caracterizado nível de alerta para os padrões da OMS – Organização Mundial da Saúde.

No sábado (3), os ventos úmidos que sopram do oceano mantém as condições para chuva a qualquer hora, mas de forma passageira, entre o litoral sul da Bahia até Recife. Entre Vitória da Conquista até Garanhuns, o céu fica om muitas nuvens, mas sem previsão de chuva. Em São Luís, a influência da ZCIT – Zona de Convergência Intertropical espalha muitas nuvens que intercalam algumas aberturas de sol e a chuva acontece a qualquer hora. Nas demais áreas, o ar seco mantém o tempo firme e não chove. A umidade relativa do ar fica baixa em diversos municípios destas localidades.

No domingo (4), a ZCIT mantém o tempo instável no litoral maranhense e a chuva acontece a qualquer hora. Na costa leste nordestina entre Salvador e Natal, a umidade que sopra do oceano favorece o aumento de nuvens. De acordo com os meteorologistas da Climatempo, a chuva acontece de forma passageira. Nas demais áreas, inclusive áreas de agreste e sertão, o ar seco mantém o predomínio de sol e não chove. A Climatempo mantém o alerta para baixa umidade relativa do ar.

Leia tudo sobre: previsão do tempo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas