Ato está marcado para 18 horas desta segunda-feira no Largo do Machado e deve seguir até o Palácio Guanabara

Agência Estado

A recepção ao papa Francisco no Palácio Guanabara (sede do governo fluminense, na zona sul do Rio) será marcada por protestos convocados pelos grupos Anonymous Rio e pela Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (Atea). A manifestação questiona gastos públicos com a recepção ao pontífice e pede a saída do governador Sérgio Cabral e do vice Luiz Fernando Pezão. Eles recepcionarão Francisco. Solenidade está marcada para as 17h no palácio, com a presença da presidente Dilma Rousseff e do prefeito Eduardo Paes.

Leia também:
Saiba mais no especial da Jornada Mundia da Juventude
Veja os preparativos para a chegada do papa ao Brasil
Semana da Jornada Mundial da Juventude será de frio, prevê Inmet
Veja como será o dia a dia do papa Francisco na JMJ 2013

Papa embarcou nesta segunda no aeroporto internacional de Roma rumo ao Rio de Janeiro
AP
Papa embarcou nesta segunda no aeroporto internacional de Roma rumo ao Rio de Janeiro

Os manifestantes se concentrarão a partir das 18h no Largo do Machado, a 1 km do Guanabara. O grupo planeja seguir até o palácio. Na página de convocação ao evento, mais de 7 mil pessoas confirmaram presença. De acordo com a prefeitura, toda a rua em frente ao palácio estará fechada por medida de segurança.

Na convocação, o grupo esclarece que a manifestação não é contra a presença do papa nem contra a Igreja Católica. "A ideia é aproveitar a presença do papa, de seus turistas e da mídia global. Será mais um grito contra a corrupção e por serviços públicos mais dignos." A pauta divulgada pelo grupo questiona os gastos públicos estimados em R$ 118 milhões para a organização da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e defende o estado laico.

A Atea anunciou que promoverá às 17h manifestação em frente ao palácio. Temerosa de uma reação da Polícia Militar, a entidade tentou no fim de semana uma liminar judicial que proibisse a repressão policial. No sábado, a Justiça negou a liminar. A entidade recorreu. Manifestações do tipo serão promovidas pela entidade em outras capitais brasileiras, como Belo Horizonte e São Paulo, além de cidades importantes, como Ribeirão Preto (SP).

Leia mais:
Percentual de católicos no Brasil cai a 57%, segundo pesquisa Datafolha
“Francisco é o cara que abre portas”, diz professor sobre perfil jesuíta do papa
‘Francisco será lembrado como o papa Robin Hood’, diz especialista em Vaticano
Ordem do papa, jesuítas são conhecidos pelo desapego material e por dialogar

"Assim como o batismo de crianças lhes impinge uma religião, o sequestro do Estado para fins religiosos faz o mesmo com todos os demais cidadãos brasileiros, que se tornam católicos à força quando o dinheiro dos seus impostos é desviado para pagar um evento religioso. Por isso, para simbolizar o protesto contra as violações da laicidade, escolhemos o desbatismo", informa a Atea em comunicado distribuído na semana passada. No protesto, a entidade promoverá o que chamou de "desbatismo coletivo", em que os manifestantes usarão secadores de cabelo "para os ventos do secularismo varrerem as águas do batismo". "Se você não concorda com o uso de dinheiro público na JMJ, com símbolos religiosos em repartições públicas, o ´ Deus seja louvado` no dinheiro, o ensino religioso em escolas públicas..

Se você acha que barrar a camisinha e a pílula no sistema público é um absurdo, se não concorda com o veto da Igreja Católica ao divórcio, se ainda não se conformou com o acobertamento de pedófilos e a discriminação contra homossexuais... Enfim, o desbatismo é para todos aqueles que desejam protestar", diz o documento. 

Veja imagens dos preparativos para a Jornada:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.