Apesar de investigação da PF apontar que não houve crime, ministro diz que novos indícios pode ser apurados

Agência Brasil

Mesmo com a conclusão das investigações que não apontaram culpados pelos boatos que anunciaram o fim do Programa Bolsa Família o governo não descarta a possibilidade da Polícia Federal (PF) continuar investigando novos indícios que possam surgir. Durante uma audiência no Senado, ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, elogiou o trabalho da PF e destacou que não houve qualquer orientação do governo para os trabalhos de investigação.

O caso:  Governo desmente suspensão do Bolsa Família
A conclusão: PF conclui que não houve crime em boato sobre fim do Bolsa Família

Clientes se aglomeram na frente de uma agência da Caixa em Nova Iguaçu, RJ
Futura Press
Clientes se aglomeram na frente de uma agência da Caixa em Nova Iguaçu, RJ

“[A PF] fez um trabalho sério e competente. Foram centenas de pessoas ouvidas que apontaram situações diferentes”, disse, lembrando que o inquérito será analisado pela Justiça e pelo Ministério Público. “Qualquer informação que complementar as investigações, a Polícia Federal, independentemente da minha ação, vai atuar e chegar aos resultados”, completou Cardozo.

Ele disse que a situação de um ministro da Justiça é sempre “desconfortável” nessas investigações. Segundo ele, se o inquérito aponta aliados como culpados, o ministro não tem controle e, quando aponta autoridades da oposição, o ministro é acusado de orientar as investigações. “Não faria nunca e, mesmo que quisesse, não poderia fazer. A PF se constitui, durante todo o tempo, como uma polícia republicana, de Estado e não de governo”, ressaltou.

Os boatos sobre o fim do programa levaram mais de 900 mil beneficiários às agências da Caixa Econômica Federal, em maio deste ano, para sacar os recursos. As investigações sobre a fonte dos boatos seguiram diversas frentes de apuração, como a voltada para identificar uma empresa de telemarketing que seria a responsável pelas primeiras divulgações da falsa notícia.

Agentes da Polícia Federal concluíram que os boatos tiveram origem espontânea e que não há como apontar um culpado pelo ocorrido.

O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) lembrou que o ministro determinou o inquérito assim que o governo constatou o problema, mas criticou os resultados da investigação. “[A presidenta] Dilma [Rousseff] foi taxativa quando afirmou se tratar de crime. Foi enfática. Houve o crime mas não existem os criminosos. Estamos nos acostumando a esses feitos no Brasil nos últimos anos. Outras providências serão tomadas?”, questionou. Segundo o parlamentar, o assunto não se esgotou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.