Protesto em Vitória acaba em confronto e depredação

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Um homem foi ficou ferido com queimaduras provocadas por um coquetel Molotov. Cerca de 3 mil participaram de passeata

Agência Estado

Nesta quinta-feira (4), a sexta manifestação que atinge a Grande Vitória desde a onda de protestos que chegou ao Espírito Santo no dia 17 de junho - quando 100 mil foram às ruas na capital capixaba em uma passeata pacífica - teve um final tenso, em mais um confronto entre manifestantes e Polícia Militar.

Leia também: Garoto baleado por policial em protesto na Grande BH tem morte cerebral

A passeata saiu da concentração na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), em Vitória, por volta das 18h30 e se encaminhou à Praça do Pedágio da 3ª Ponte, onde se encontraram com pessoas que atravessaram a ponte no sentido Vila Velha x Vitória para se unir à passeata. A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do ES (Sesp) estima que, por volta das 20h30, pico de concentração, cerca de 3 mil pessoas estavam no local. Houve confronto com a polícia e um segurança da Rodosol, concessionária que administra a ponte, foi atingido pelo fogo gerado por um coquetel Molotov que teria sido jogado por manifestantes.

Minas Gerais: Bloqueio provoca acidente e cinco pessoas morrem na Fernão Dias 

De acordo com a assessoria de imprensa da Rodosol, o segurança foi encaminhado a um hospital e estava consciente, mas com as pernas queimadas. A Sesp contabilizou seis cabines de pedágio danificadas. O governo informou ainda que escoltou cerca de 300 pessoas de volta a Vila Velha pela ponte. No trajeto, ocorreram novos conflitos e os civis teriam destruído os cabos de luz, gerando um apagão no vão central da ponte.

Veja mais: Acidente deixa quatro mortos durante protesto em rodovia na Bahia

O fim do pedágio da ponte que une Vitória e Vila Velha, na região Metropolitana, é a causa local que mais ganhou força no Espírito Santo nas recentes manifestações. Desde terça-feira, um grupo de cerca de 50 pessoas está no gabinete da presidência da Assembleia Legislativa do Estado, onde um decreto que prevê o fim da cobrança deveria ter sido votado no último dia 2. (AE)

Leia tudo sobre: protestosmanifestaçõesvitóriaespírito santo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas