'Saúde não depende só de médico', diz vice-prefeita de cidade campeã do SUS

Por Maria Fernanda Ziegler - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Arco-Íris, a 500 quilômetros da capital paulista, encontrou soluções simples para atender sua população e ficou em primeiro lugar no IDSUS

“Dá para trabalhar muito bem com saúde, mesmo com pouco dinheiro”, garante Maria Benedita Fernandes a vice-prefeita de Arco-Íris, cidade a 500 quilômetros de São Paulo. O discurso, muito diferente do que se ouve país afora, é dito com orgulho por quem foi por 11 anos secretária de saúde da cidade que ficou em primeiro lugar no Índice de Desempenho do Sistema Único de Saúde de 2012, o IDSUS. Maria Benedita afirma que as soluções encontradas para dar atendimento de primeira e sem demora em Arco-Íris podem ser aplicadas em qualquer município do Brasil.

Ministro da Saúde ao iG:
'Atração de médicos estrangeiros não pode ser tabu no Brasil'

A cidade de 1.925 habitantes tem um posto de saúde com um médico e nenhum hospital. “A cidade é muito pequena, então temos três boas ambulâncias e uma parceria com cinco hospitais da região”, diz. Outras duas ambulâncias serão entregues este ano. A partir de uma parceria intermunicipal (chamada Programação Pactuada Integrada), moradores do município podem ser mandados para hospitais públicos de Marília, Tupã, São José do Rio Preto ou Jaú. “Saúde não depende só de médico, depende de organização”, diz.

Em outros países:
Médicos de Venezuela e Bolívia criticam experiência de 'importar' cubanos

Organização também ajuda na hora de receber verbas federais. Maria Benedita conta que no ano passado a cidade se inscreveu em um projeto do Ministério da Saúde de estímulo à atividade física, que repassaria 40 mil reais para municípios participantes. Quando chegou o documento aprovando o projeto de Arco-Íris, em invés de 40 mil reais veio o dobro. “Achamos que tinha acontecido algum erro. Quando ligamos para o ministério, nos disseram que como houve baixa participação entre os municípios, eles fizeram uma nova divisão do montante e o repasse foi de 80 mil reais”, ri.

Planos:
Médicos estrangeiros terão avaliação por três semanas antes de trabalhar
Solução para falta de médicos depende de ação em várias frentes

Embora a cidade tenha apenas um posto de saúde, ele conta com uma médica clínica-geral – que recebe 17 mil reais, por 40 horas semanais -, duas enfermeiras, duas dentistas, dois fisioterapeutas, um psicólogo, uma nutricionista e um profissional de educação física. Além da equipe multidisciplinar no posto, há ainda o trabalho de cinco agentes comunitários que integram o programa Saúde da Família. “Eles conhecem todo mundo, seja da zona rural ou da cidade e trabalham na prevenção de doenças”, conta.


No RS:
Cidade gaúcha paga faculdade e mesmo assim não consegue atrair médico

As ideias simples e que funcionam de Arco-Íris não param por aí. Para driblar o baixo orçamento para investir em equipamentos de exames sofisticados, a cidade se juntou a outros seis municípios da região. No Consórcio Regional Intermunicipal de Saúde, as prefeituras de Tupã, Arco-Íris, Hercolândia, Parapuã, Vinópolis, Matos e Queiroz conseguem que pacientes sejam atendidos em laboratórios particulares da região. “É como um plano de saúde, exames que custariam R$ 350 saem por R$ 40, em muitos casos. É um baita quebra-galho, não daria para investir em tanto equipamento caro e é bom para as empresas que ganham por causa de um maior fluxo de pacientes”.

Leia tudo sobre: são paulosaúdemédicos estrangeirosmédicos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas