Governo deve dialogar com manifestantes e 'buscar soluções', diz Temer

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Em Israel, vice diz que protestos revelam 'ascensão social': 'Enquanto 40 milhões eram pobres não havia reivindicações. Agora há protestos para a melhoria dos serviços públicos'

BBC

AE
Temer e Dilma (foto de arquivo)

Em viagem oficial a Israel, o vice-presidente Michel Temer afirmou que, diante da onda crescente de protestos no Brasil, o governo federal deve "dialogar com os manifestantes e procurar soluções para os problemas".

Segunda: Em onda de protestos, mais de 200 mil tomam as ruas do País

Repercussão: ONU pede moderação a autoridades e manifestantes em protestos no Brasil

"O governo federal deve dialogar com os manifestantes para averiguar quais são as queixas principais e depois terá de encontrar soluções; devemos incentivar o diálogo, saindo do pressuposto de que o direito à manifestação é um direito democrático, estipulado em nossa Constituição", disse à BBC Brasil.

"Devemos incentivar o diálogo no Estado e nos municipios; as manifestações são fruto da vitalidade da democracia brasileira", acrescentou.

Cenário: Em São Paulo, passeata de 60 mil pessoas vira protesto contra 'tudo'

Para o vice-presidente, a onda de protestos nas cidades brasileiras representa "uma revelação cabal da ascensão social de milhões de cidadãos". "Enquanto 40 milhões de brasileiros estavam na probreza absoluta não havia reivindicações, mas agora há protestos voltados para a melhoria dos serviços públicos", afirmou.

"Devemos ver o significado positivo dessas manifestações populares, mas também é preciso preservar as instituições."

Excessos

Referindo-se aos protestos da última quinta na capital paulista, Temer também defendeu que "os excessos da polícia sejam apurados" e a unificação das polícias Civil e Militar. "O governador (Geraldo Alckmin) já instruiu a Corregedoria (da Policia Militar) a investigar os excessos cometidos por policiais durante as manifestações", disse.

Manifestantes são refletidos no vidro de prédio, à esq., enquanto se manifestam no Rio
. Foto: APManifestantes são vistos perto de barricada em chamas no Rio. Foto: APPolicial é visto ferido no chão depois de confrontos com manifestantes durante protestos no Rio de Janeiro. Foto: APCarro foi incendiado por manifestantes no Rio. Foto: APEntre 10 mil e 15 mil manifestantes tomaram as ruas de dois bairros para protestar contra obras de projeto viário em Belém. Foto: Futura PressManifestante grita com policial durante protestos em frente do Congresso em Brasília. Foto: APManifestantes furam o bloqueio policial sobem a rampa do Congresso Nacional e chegam ao teto do Senado Federal. Foto: Agência BrasilProtesto 'Se a tarifa aumentar São Paulo vai parar' contra o aumento das passagens de ônibus, trens e metrô, em São Paulo. Foto: Futura PressInício da passeata que saiu do Largo da Batata, na Zona Oeste de São Paulo. Foto: Futura PressEm Curitiba, movimento contra corrupção reúne milhares. Foto: Futura PressManifestantes aproveitaram o jogo da Copa das Confederações entre Taiti e Nigéria, às 16h, na Arena Mineirão, para protestar contra a situação do país. Foto: Futura PressProtesto contra o aumento das passagens de ônibus, trens e metrô, em Porto Alegre (RS). Foto: Futura PressProtesto contra o aumento das passagens de ônibus, trens e metrô, em Salvador (BA)
. Foto: Futura Press

"É preciso que haja um braço investigatório e um braço fardado, que tenha uma função preventiva e repressiva", afirmou, "o rótulo não importa".

Temer iniciou na segunda-feira uma visita oficial de cinco dias a Israel e aos territórios palestinos, onde deverá se encontrar com os principais líderes das duas partes. Em Tel Aviv, o vice-presidente inaugurou um novo Centro Cultural do Brasil.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas