Mulheres que participaram da campanha alegam radical mudança da proposta original. "Com a filosofia atual do governo, não há a menor condição", diz presidente de associação

Agência Estado

Prostitutas que participaram da campanha de prevenção à aids vetada e depois modificada pelo Ministério da Saúde decidiram revogar a autorização do uso da imagem. Nesta quarta-feira (12), uma notificação extrajudicial deverá ser encaminhada para a pasta exigindo a suspensão de todas as peças da campanha. "Também vamos formalizar o fim da nossa parceria com o Ministério", contou a presidente da Rede Brasileira de Prostitutas, Gabriela Leite.

Leia também:
Ministro da Saúde manda retirar do ar campanha 'Eu sou feliz sendo prostituta'
Diretor da Saúde é exonerado após polêmica campanha sobre prostitutas

Campanha retirada do ar pelo ministério da Saúde
Divulgação
Campanha retirada do ar pelo ministério da Saúde

As participantes alegam radical mudança da campanha original, feita a partir de uma oficina de prevenção. Semana passada, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, determinou a suspensão da campanha. A justificativa era a de que as peças não haviam sido formalmente aprovadas. Dois dias depois, a campanha, com menor número de peças e com modificações, foi relançada.

Em nota, a Rede observa que o governo retirou do ar peças que tratam de felicidade (com dizeres "Sou feliz sendo prostituta"), de cidadania (com slogan "O sonho maior é que a sociedade nos veja como cidadãs") e da luta contra a violência ("Não aceitar as pessoas da forma que elas são é uma violência"), deixando apenas as que associam prevenção com camisinha. "A valorização da autoestima é essencial. Não concordamos com a nova abordagem do governo", disse Gabriela.

A presidente da Rede afirmou que a organização não participará de nenhuma outra iniciativa com Ministério da Saúde. "Os recentes episódios são um claro sinal de desrespeito", observou. A Rede já cancelou a participação numa oficina de trabalho, organizada pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais programada para o início do mês. "Nossa parceria com o governo é histórica. Desde 1989 preparamos em conjunto trabalhos de prevenção, mas com a filosofia atual do governo, não há a menor condição", completou. Procurado, o Ministério da Saúde não se manifestou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.