Gravação por telefone é origem de boatos sobre fim do Bolsa Família

Por Ricardo Galhardo - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Pelo menos duas testemunhas afirmaram terem recebido a falsa informação sobre o fim do Bolsa Família, que gerou tumultos em bancos no fim de semana, por meio de telefonemas

A Polícia Federal (PF) identificou pelo menos duas pessoas que afirmam ter recebido telefonemas no último final de semana com mensagens gravadas sobre o fim do Bolsa Família. De acordo com as investigações iniciais, a hipótese mais provável é que o boato partiu de uma central de telemarketing, via telefones celulares, e a partir de então se espalhou boca a boca e por redes sociais da internet.

Leia também:
'É absurdamente desumano', diz Dilma sobre boato
PF vai investigar boatos de suspensão do Bolsa Família
Cardozo diz que boatos sobre Bolsa Família podem ter sido orquestrados
Boatos sobre fim do Bolsa Família não atrapalharão programa, diz Lula 

Futura Press
Clientes se aglomeram na frente de uma agência da Caixa em Nova Iguaçu, RJ

A PF ainda não identificou a motivação do boato. “Ainda não sabemos o que motivou a boataria. Pode ser disputa política, alguém com interesses comerciais ou até o crime organizado”, disse uma fonte com amplo acesso à investigação.

A ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, chegou a afirmar em uma rede social que a motivação era política. Diante da reação da oposição, ela voltou atrás. O presidente do PT, Rui Falcão, divulgou um vídeo no qual classifica a boataria como “terrorismo eleitoral”.

As testemunhas que afirmam ter recebido mensagens gravadas sobre o fim do benefício são, por enquanto, as principais pistas da PF para chegar aos autores dos boatos. As investigações estão a cargo da Divisão de Crimes Cibernéticos da PF e até agora ninguém foi indiciado.

O falsos boatos sobre o fim do Bolsa Família provocaram tumultos em agências da Caixa Econômica Federal em 12 estados. Beneficiários correram formaram filas para sacar o dinheiro do programa no final de semana e algumas agências chegaram a ser depredadas. A presidente Dilma Rousseff classificou a boataria como “ato criminoso”.

Tanto no PT quanto na oposição, o episódio provocou temor em relação ao ambiente político para a campanha eleitoral do ano que vem. Parlamentares da oposição foram à PF pedir agilidade nas investigações. Dirigentes petistas também têm pressionado por uma apuração rápida e eficaz para preservar o ambiente eleitoral. “Isso é muito grave. A PF tem que agir rápido e de forma exemplar. Do contrário os boatos podem contaminar o processo eleitoral do ano que vem”, disse um dirigente.

Procurada por meio da assessoria de imprensa, a PF disse que não se manifesta sobre investigações em andamento.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas