Legistas contestam suicídio e dizem que namorada de PC Farias foi assassinada

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Profissionais afirmam que Suzana Marcolino morreu em posição de defesa. Daniel Muñoz citou que arma do crime não tinha impressões digitais. "Alguém limpou a arma", disse

Agência Estado

O médico-legista Daniel Muñoz contestou a tese de suicídio e afirmou que a namorada de Paulo César Farias, Suzana Marcolino, morreu assassinada. Em seu depoimento, nesta quinta-feira,  durante o julgamento dos quatro réus acusados de envolvimento na morte do casal, Muñoz repetiu a versão do perito Domingos Tochetto, com quem trabalhou na revisão das provas técnicas do crime feitas pela perícia alagoana.

3º dia de júri: Morte de PC Farias foi crime passional, reitera legista em depoimento
Testemunha: Namorada de PC Farias comprou arma dias antes do crime
Irmão de PC Farias nega envolvimento no crime durante 2º dia de júri popular
 

Itawi Albuquerque/Futura Press
Médico-legista Daniel Muñoz durante esclarecimentos ao júri do caso PC Farias, em Alagoas

Segundo Muñoz, Suzana morreu em posição de defesa, o que descartaria o suicídio, como sugere o laudo oficial da perícia feita na época do crime. O legista baseia sua tese na quantidade de resíduos de pólvora encontrada na palma da mão de Suzana. Para ele, caso ela tivesse cometido suicídio, os resíduos ficariam em maior quantidade entre o indicador e polegar.

"O local onde os resíduos estão indica que ela estava com a arma entre as mãos, como se quisesse se defender do tiro", explicou. O médico-legista disse ainda que a distância entre o revólver e o corpo - de três centímetros - leva à hipótese de homicídio. "O suicida quer morrer, mas não quer sofrer. Então ele encosta a arma no corpo, para ter certeza de que não vai sofrer", disse.

Itawi Albuquerque/Futura Press
Os quatro acusados da morte de PC Farias e Suzana Marcolino no 1º dia de júri em Maceió

Em Brasília: Ex-líder de Collor, Renan diz que não acompanha julgamento

Testemunha: 'O que não tem utilidade a gente joga fora', diz homem que limpou quarto 

O legista questionou também o fato de a arma usada no crime não ter impressões digitais. Em testes balísticos feitos por ele com 20 pessoas indicaram que todas deixaram suas impressões na arma. "O revólver utilizado no crime não tinha nem mancha de sangue nem impressões digitais, numa clara evidência que alguém limpou a arma", ressaltou. "Isso leva a hipótese de que Suzana Marcolino foi assassinada."

Em depoimento anterior, o perito Domingos Tochetto também questionou o resultado da perícia. Na época do crime, ambos foram convidados pela Justiça alagoana para fazer uma revisão das provas técnicas feitas pela perícia do Estado.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas