PF faz operação para prender quadrilha de contrabando em três Estados

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Quase cem mandados estão sendo executados em cidades do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Organização seria chefiada por deputado

Agência Brasil

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (25) uma operação para desarticular uma organização criminosa que atua no contrabando de cigarros e na exploração de jogos ilegais no Paraná. Segundo a PF, 250 policiais federais cumprem 40 mandados de busca e apreensão, 23 mandados de prisão preventiva, seis mandados de prisão temporária e 29 mandados de condução coercitiva.

Mais: Polícia Federal investiga seita acusada de trabalho escravo em Minas Gerais

Operação da Polícia Federal contra tráfico prende cinco em Estados do Nordeste

As ordens judiciais da "Operação Fractal" estão sendo executadas em cidades paranaenses (Curitiba, Maringá, Medianeira, Foz do Iguaçu, Faxinal e Matinhos), gaúchas (Porto Alegre e Canoas) e catarinenses (Laguna e Joinville). Segundo a PF, as investigações, que começaram em 2010, apontaram que a quadrilha tinha o reforço de policiais militares lotados, na maioria, em rotas de contrabando no noroeste do Paraná.

Além de facilitar a passagem da mercadoria do grupo, eles extorquiam dinheiro de contrabandistas concorrentes, repassando parte dos valores e dos produtos desviados de apreensões ao núcleo central do esquema. A organização criminosa era liderada por um assessor de um deputado estadual do Paraná e por oficiais da Polícia Militar em postos estratégicos, de acordo com as investigações.

A PF informa, em nota, que “a soma dos valores oriundos da corrupção e repassada ao assessor e seus contatos na corporação militar paranaense chegou a centenas de milhares de reais.” O lucro com as atividades ilícitas, segundo o texto, permitiu “a obtenção de grande patrimônio por parte dos integrantes da quadrilha, sendo que parte dos imóveis, bem como valores, foram bloqueados por decisão judicial”.

Ao longo da investigação foram feitos diversos flagrantes e prisões de servidores públicos por corrupção. A investigação, que está em segredo de Justiça, deverá promover outras diligências.

A Operação foi batizada de Fractal devido à capilaridade detectada nas investigações, que levou a quadrilha a se infiltrar em todas as esferas do estado do Paraná. “Por um conceito matemático, fractal seria um objeto que apenas encontraria regras na irregularidade, com grande capilaridade, definindo bem a atuação do grupo”, explica a nota.

Foram verificados, durante as investigações, indícios de que a organização criminosa buscava influência em setores das polícias Militar, Civil e Federal; Receita Federal; Ministério Público Estadual e Assembleia Legislativa do Paraná.

Leia tudo sobre: pfparanário grande do sulsanta catarinacontrabandojogos ilegais

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas