Vice-presidente Michel Temer é contra redução da maioridade penal

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Tema que voltou a ser discutido depois que um jovem às vésperas de completar 18 anos assassinou esta semana o estudante Victor Deppman, de 19 anos, em São Paulo

Agência Estado

O vice-presidente Michel Temer disse nesta sexta feira (12) que é contra a redução da maioridade penal, tema que voltou a ser discutido depois que um jovem às vésperas de completar 18 anos assassinou esta semana o estudante Victor Deppman, de 19 anos, em São Paulo.

"É um tema que vem sendo discutido. Mas reduz para 16 anos e o sujeito(que comete um crime) tem 15 anos e meio. Não sei se é por aí a solução. Talvez seja o que vem fazendo o governo, ações para dar amparo aos menores. O caminho é mais por aí", disse Temer.

Entenda o caso:
Polícia prende adolescente suspeito de matar universitário na zona leste de SP
Alckmin afirma que partido proporá mudança no Estatuto do Adolescente
Ministro da Justiça diz ser contra redução da maioridade penal

O vice está no Rio para um almoço na Associação Comercial. Pela manhã, autografou seu livro de poesias Anônima Intimidade. Outro integrante do governo de Dilma Rousseff que se posicionou sobre a polêmica foi o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

Em audiência na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) sobre programas federais de segurança, Cardozo falou que a mudança é "inconstitucional". “A redução da maioridade penal não é possível, a meu ver, pela Constituição Federal. O Ministério da Justiça tem uma posição contrária à redução, inclusive porque é inconstitucional. Em relação a outras propostas, eu vou me reservar o direito de analisá-las após o seu envio”, disse.

A ideia de mudanças na maioridade penal foi proposta hoje pelo governador de São Paulo Geraldo Alckmin. Ele declarou que pretende enviar ao Congresso Nacional um projeto para tornar mais rígido o Estatuto da Criança e do Adolescente. A proposta do governador é que adolescentes que tenham cometido crimes e tenham completado 18 anos não fiquem mais na Fundação Casa. O governador também defendeu penas maiores para os crimes graves ou reincidentes. 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas