Dilma avalia que País superou pobreza extrema

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo a presidente, o governo retirou 22 milhões de brasileiros da extrema pobreza com distribuição de renda e incentivo à educação

Agência Estado

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira (12) que, em março, o governo 'completou um ciclo' ao conseguir retirar 22 milhões de brasileiros da extrema pobreza. "Completamos o ciclo de superar a pobreza extrema, com a decisão de estender para todo o cadastro do Bolsa Família o pagamento do benefício de R$ 70 por pessoa".

Leia também: Pobreza recua no Brasil, mas fim da miséria é questionável

Dilma ponderou haver dois caminhos para superar a pobreza no Brasil: renda e educação. Citando o lema que adotou para seu governo, "País rico é país sem miséria", Dilma afirmou que o Brasil "só será rico se superar a pobreza".

"A gente tem dois caminhos para superar a pobreza: um é a renda, dar acesso ao emprego, garantir um salário. O outro é educação, educação e mais educação", afirmou Dilma. A presidente deu ênfase para o campo da educação. Segundo ela, é importante que no Brasil haja investimentos em todos os ciclos de ensino.

"Para as (crianças) menores, sabemos que toda a literatura técnica demonstra que quanto mais cedo ela é estimulada, mais é o seu desenvolvimento. Por isso, é importante construir creches porque se ataca a desigualdade", disse Dilma.

Dilma também citou  a expressão do dramaturgo Nelson Rodrigues ao afirmar que existia no Brasil um "complexo de vira-lata", que foi superado nos últimos dez anos. "Eu tenho certeza que nesses últimos dez anos esse complexo desapareceu. Hoje temos muito autoestima e olhamos todos de igual para igual", ressaltou.

Metrô
Apresidente classificou o metrô como a "única forma racional de transporte coletivo de massa que está à altura do País".Ela disse que a falta de investimentos em metrô, no passado, exemplifica a existência desse complexo.

"Na década de 80, tentaram fazer metrô no Brasil, e tinha gente que falava que metrô é coisa de gente rica." O resultado dessa falta de investimentos no sistema metroviário, continuou a presidente, é a precariedade de estrutura de mobilidade nas grandes metrópoles do País. 

As declarações foram dadas em cerimônia de repactuação do Programa Brasil sem Miséria com o Rio Grande do Sul. O evento também celebra a formatura de alunos de cursos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). No evento, também estão presentes a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, e o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT).

Leia tudo sobre: dilmapobrezabolsa família

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas