Laguna e Içara, cidade ao sul do Estado, registraram duas ocorrências com veículos incendiados na última madrugada. Nenhum responsável foi encontrado pela polícia

Agência Brasil

Com mais dois ataques registrados pela Polícia Militar nesta madrugada, em Santa Catarina, subiu para cem o número de ocorrências associadas à onda de violência que ocorre no Estado desde o dia 30 de janeiro. Segundo o último boletim da PM, em Laguna, no litoral sul catarinense, dois homens atiraram um artefato inflamável, contendo gasolina, contra um caminhão de guincho, que não chegou a pegar fogo. Nenhum suspeito foi detido.

Mais: Com onda de violência, ônibus em Florianópolis vão parar de circular às 19h
SC registra novos ataques e deve aceitar ajuda da Força Nacional

A outra ocorrência foi registrada no município de Içara, no sul do Estado. Dois homens atearam fogo em um veículo que ficou totalmente queimado. A dupla rendeu o motorista que aguardava a mulher no interior do carro, obrigando-o a sair do automóvel. Ele foi levado a um hospital da região em estado de choque por homens do Corpo de Bombeiros. Os responsáveis pelo incêndio não foram localizados.

Justiça eleitoral de Palhoça sofreu atentado com bomba na segunda (11); ninguém foi preso
Futura Press
Justiça eleitoral de Palhoça sofreu atentado com bomba na segunda (11); ninguém foi preso

Para ajudar a conter os ataques, a Força Nacional de Segurança Pública deve ser enviada, conforme informações da assessoria de imprensa do governo catarinense. As autoridades ligadas à área de segurança pública, no entanto, têm mantido sigilo sobre os detalhes das ações para dar fim à onda de atentados.

Em reunião com o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, colocou à disposição do estado as tropas federais, além da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal.

Na quarta-feira (13), eles se reuniram e Florianópolis para discutir a transferência de presos de facções criminosas que atuam dentro do sistema prisional para unidades do Regime Disciplinar Diferenciado (RDD). As autoridades alegam que, “por medida de segurança”, não serão reveladas possíveis datas para a ação nem os locais para onde os presos serão levados.

Segundo o ministério, as informações dos acertos entre o governo estadual e a pasta não estão sendo divulgadas para não comprometer o objetivo das ações destinadas a onda de violência.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.