Santa Catarina registra novos ataques e deve aceitar ajuda da Força Nacional

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Com os novos registros, chega a 94 o número de ataques notificados em 29 municípios desde o dia 30 de janeiro

O estado de Santa Catarina teve nesta terça-feira (12) mais uma madrugada com registro de ataques. Foram três ocorrências nos municípios de Chapecó, Tubarão e Imbituba, de acordo com a Polícia Militar (PM). Com os novos registros, chega a 94 o número de ataques notificados em 29 municípios. A série de ataques violentos no estado ocorre desde o dia 30 de janeiro.

Leia mais: Carnaval é mantido em Santa Catarina, mesmo após ataques

Entenda: Facção criminosa de Santa Catarina copia modelo do PCC

Dois veículos foram incendiados, um particular em Chapecó e uma viatura da Guarda Municipal no município de Tubarão. Em Imbituba, uma pedra foi atirada no fórum localizado no centro da cidade, com um bilhete contendo a ameaça de que seria ateado fogo ao prédio

Futura Press
Justiça eleitoral de Palhoça (SC) sofre atentado com bomba na manhã de segunda; ninguém foi preso

Diante da frequência de ataques, o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, já acena com a possibilidade de o Estado aceitar auxílio da Força Nacional de Segurança (FNS) oferecida na semana passada pelo Ministério da Justiça.

Em entrevista ao jornal Diário Catarinense, no fim da tarde de segunda-feira, após se reunir com o comando-geral da Polícia Militar (PM), Colombo afirmou que a FNS deve ser utilizada. "É uma decisão técnica. A Força Nacional de Segurança será utilizada, se for o caso, em atuações específicas", disse ao periódico.

Para o governador, a segurança pública catarinense está dando resposta com a prisão de suspeitos e autores dos crimes. Estão sob investigação 137 pessoas e, após 14 dias de atentados, 31 estão presos. 

Segundo a Polícia Civil, criminosos encarcerados estão ordenando os atos de violência. As ações podem estar relacionadas a excessos cometidos por agentes penitenciários em uma operação pente-fino no Presídio de Joinville, no dia 18 de janeiro. As imagens do circuito interno mostram agentes penitenciários utilizando spray de pimenta e disparando balas de borracha, mesmo com os presos sob controle.

Na tentativa de conter a onda de ataques, o governo de Santa Catarina decidiu transferir pelo menos 20 presos de alta periculosidade para penitenciárias federais.

Com Agência Estado e Agência Brasil

Leia tudo sobre: santa catarinaataquesviolênciaatentadosataquesapolicia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas