Assassino do cartunista Glauco será solto em março

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Carlos Eduardo Sundfeld Nunes ganhará a liberdade no dia 13 de março, após terminar o período máximo de prisão para portadores de doenças mentais

Agência Estado

AE
Carlos Eduardo Sandfeld Nunes

Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, que matou o cartunista Glauco Villas Boas e o filho dele Raoni, ganhará a liberdade no dia 13 de março. É quando termina a medida de segurança de três anos, o máximo previsto pelo Código Penal a portadores de doenças mentais que praticam crimes. "Ele já faz planos para começar uma vida nova", diz o empresário Carlos Grechi Nunes, de 46 anos, pai de Cadu.

Leia também:
MP do Paraná considera assassino confesso de Glauco inimputável
Cadu, assassino do cartunista Glauco, ficará internado no Paraná
Assassino de cartunista Glauco pode ser transferido para Goiás

"Ele quer sair da clínica totalmente curado. O acompanhamento psiquiátrico é que vai definir se a periculosidade dele cessou", enfatizou o pai. "Mesmo assim, nós sabemos que o Eduardo está bem", anima-se. Durante conversa informal com o Estado, Carlos Nunes comenta que os próximos 75 dias serão de ansiedade para família.

O crime ocorreu no dia 12 de março de 2010 em Osasco, na Grande São Paulo (SP). Na época, sob efeito de maconha, haxixe e uma mistura de ervas do chamado Santo Daime, ele invadiu a Igreja Céu de Maria, matou o cartunista e o filho dele.

De acordo com o Laudo Psiquiátrico e Psicológico de Sanidade Mental, os assassinatos ocorreram em um momento de surto, uma vez que foi diagnosticado que o rapaz é portador de esquizofrenia paranoide - o que o torna incapaz de perceber a gravidade dos seus atos. O surto seguiu, após o duplo homicídio, quando Carlos Eduardo tentou fugir para o Paraguai, armado e dirigindo um carro roubado, e foi preso na fronteira dos dois países.

Após quase três anos, um amigo da família, em Goiânia, garante que o passado recente ainda é, efetivamente, um drama e um pesadelo na vida do rapaz - a ser superado. "Tem dia que ele se abate, sente remorso pelas mortes; afinal eram amigos dele, pessoas de quem gostava e com as quais mantinha convivência", comentou. Isso, aliado à busca da cura, teria barrado os planos de passar o Natal e ano-novo longe do hospital.

"Ele (Cadu) não passou o Natal em sua casa, e não passará o ano-novo também", disse um medico ligado à família. "Tudo o que a família quer é sossego: "O Carlos me disse que eles querem dar sossego ao Cadu, e também é por isso que o pai não dá entrevista, acredita que muitos podem interpretá-lo como alguém querendo fama e mídia."

Momentos mais difíceis

Apesar da resistência, o empresário disse ao Estado que passou por três momentos muito complicados após a morte do cartunista e seu filho, em São Paulo. O primeiro foi no dia do crime. "Pensei que não teria o Cadu vivo. Foi tudo muito complicado", afirmou Grechi Nunes.

Depois, houve o dia do julgamento, no Paraná. "Está tudo lá, é inacreditável tudo aquilo, o que ouvi, as fotos, os documentos", lamenta. Por fim, surgiram as dificuldades pós-julgamento. "Passei a viajar, de Goiânia para o Paraná, todo fim de semana. Dormia em hotéis, ficava de avião pra lá e pra cá, comprava os remédios, viajava todo fim de semana. Assumi o meu filho, só queria vê-lo bem, recuperado, saudável. Deixei o trabalho em um plano secundário", afirmou. 

Leia tudo sobre: BrasilGlaucoCaducrime

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas