Polícia Rodoviária Federal aumenta efetivo para coibir roubos na Régis

Ladrões aproveitam os congestionamentos decorrentes do aumento do tráfego nesta época do ano para saquear usuários; alvos preferidos são caminhões-baú

Agência Estado |

Agência Estado

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) aumentará em 10% o número de policiais na rodovia Régis Bittencourt (BR-116) no início do ano para coibir arrastões e ataques aos motoristas durante o período de férias.

Desde outubro, o número de policiais em operação na rodovia já cresceu 30%, informou nesta sexta-feira (28) o comando da PRF em São Paulo. Reportagem mostrou que ladrões aproveitam os congestionamentos decorrentes do aumento no tráfego nesta época do ano para saquear os usuários.

Mais do feriado:
Serviços: Veja o que abre e fecha no feriado de Ano Novo
São Paulo: Veja o que abre e o que fecha no Ano Novo na capital paulista
Rio de Janeiro: Confira o que abre e fecha no feriado na capital fluminense
Previsão do tempo: Fim do ano será quente, úmido e abafado na maior parte do Brasil
Estradas: Após natal mais violento, PRF mantém 'Operação Fim de Ano'

AE
Ladrões aproveitam congestionamento na Régis Bittencourt para roubar cargas (foto de arquivo)

De acordo com o inspetor Ricardo de Paula, da 4ª Delegacia da PRF, o número real de ocorrências na Serra do Cafezal, onde se concentram os ataques, é muito maior do que apontam os registros e estatísticas oficiais. "Isto ocorre principalmente em razão da falta de comunicação destes crimes por parte das vítimas à Polícia Civil, ou porque o boletim de ocorrência é confeccionado em outro Estado, geralmente no destino da carga", informou.

Os principais alvos, segundo ele, são os caminhões-baú, já que os bandidos têm preferência pelas grandes transportadoras que, geralmente, carregam carga ainda mais valiosa. Os itens mais visados são eletrônicos e roupas, mas os ladrões passaram a atacar também carros de passeio em busca de celulares, máquinas fotográficas e computadores portáteis.

Leia também:  CET-SP prevê saída de 1,8 milhão de veículos para Ano Novo

Mapeamento realizado pela polícia mostra que os roubos acontecem principalmente na Serra do Cafezal, onde os marginais aproveitam-se dos enormes congestionamentos diários formados no afunilamento da pista, na passagem da pista dupla para a simples.

Os ataques ocorrem também, em menor escala, na região de Barra do Turvo e em Cajati, onde os infratores necessitam de alguma interrupção na pista proporcionada pelos recorrentes acidentes, às vezes provocados com o uso de pedras ou despejo de óleo na pista.

De acordo com o inspetor, o mapeamento indicou como pontos mais vulneráveis o trecho entre o km 334 e o 337, no Distrito dos Barnabés, em Juquitiba, e os arredores do km 340, no Bairro do Engano, em Miracatu. Nestes locais, grupos com até vinte pessoas forçam a porta dos baús e saqueiam em poucos minutos seu conteúdo.

A carga roubada é despejada nos matagais às margens da rodovia, onde fica escondida até que possa ser removida para um local seguro. "A grande dificuldade no combate a estes criminosos é que, na maioria, os assaltantes são crianças ou adolescentes. Muitos residem nas comunidades carentes e bairros às margens da rodovia, o que proporciona abrigo rápido após os roubos", disse. Segundo ele, as ações têm sido tratadas em conjunto com órgãos de segurança do Estado e com entidades de transportadores.

    Leia tudo sobre: são pauloparanásulrégis bittencourtrouboano novotrânsito

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG