Polícia identifica presos suspeitos de ordenar fim da onda de violência em SC

Desde domingo, quando um ônibus foi apedrejado no sul do estado, não são registrados ataques em Santa Catarina

Agência Brasil |

Agência Brasil

A Polícia Civil de Santa Catarina identificou os dois presos que, durante ligação telefônica no fim de semana, conversavam sobre a interrupção da onda de violência no estado. Desde domingo (18), quando um ônibus foi apedrejado em Criciúma, no sul do estado, não são registrados ataques nos municípios catarinenses. Não foram divulgados, no entanto, os nomes dos envolvidos nas gravações nem os locais onde estão presos. As conversas foram interceptadas durante investigação da polícia.

Uma das linhas de investigação apura se os atos criminosos são uma represália a supostos maus-tratos contra detentos. Para averiguar a possibilidade de tortura de presos, uma equipe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, incluindo o ouvidor nacional de Direitos Humanos, Bruno Renato Teixeira, vistoria hoje (20) a Penitenciária de São Pedro de Alcântara, em Florianópolis.

Leia mais:
Polícia investiga ligação entre ataques organizados e ações isoladas em SC 
PM de Florianópolis fala em sacrifício e suspende férias de policiais

Na semana passada, durante inspeção conjunta da Corregedoria do Tribunal de Justiça (TJ) de Santa Catarina, Ministério Público estadual e representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), foram ouvidos e examinados 69 presos que alegaram ter sido vítimas de maus-tratos no presídio da capital catarinense. As autoridades aguardam um laudo que será divulgado pelos técnicos do Instituto Geral de Perícia do estado.

A Polícia Militar informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que, mesmo com a pausa nos atentados, o reforço no policiamento e as escoltas a ônibus vão continuar pelo menos até amanhã (21).

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG