Forças Armadas levarão atendimento médico a indígenas da região amazônica

Operação Curumim 2 busca reduzir números de mortalidade infantil e materna e realizar vacinação dos nativos; em um mês mais de 17 mil índios de 14 aldeias

Agência Brasil |

Agência Brasil

A partir de segunda-feira, dia 5, a operação Curumim 2 começará a prestar atendimento médico aos índios da região amazônica. As ações, coordenadas pelas Forças Armadas e com o apoio do Ministério da Defesa, têm como foco as crianças e gestantes, para reduzir os números de mortalidade infantil e materna, assim como a vacinação dos índios e a distribuição de medicamentos e cestas de alimentos.

Leia também:  Forças Armadas fazem megaoperação na Amazônia

De acordo com o Ministério da Defesa, as tropas do Exército e da Força Aérea Brasileira (FAB) darão apoio logístico durante 30 dias para que as equipes do Ministério da Saúde possam atender a 17.294 índios de 14 aldeias. As equipes de saúde serão deslocadas para os pontos de atendimento a partir de Manaus, capital amazonense, e utilizarão as instalações dos pelotões especiais de Fronteiras (PEFs) do Exército.

Os militares da FAB vão atuar no Alto Rio Negro e Alto Solimões. Já o Exército terá maior participação na região do Alto Solimões. Nesta edição, o apoio da Marinha foi descartado devido ao baixo leito dos rios nessas áreas. Além disso, os técnicos de saúde contarão com bases nas cidades de São Gabriel da Cachoeira e Tabatinga, onde o Comando Militar da Amazônia dispõe de unidades hospitalares.

Exército Brasileiro se prepara para ter mulheres combatentes em até cinco anos

Governo mobiliza Forças Armadas para grandes eventos públicos no País

As condições de saneamento básico e o abastecimento de água nas aldeias são outras preocupações da operação Curumim 2. Também vão ser analisadas as necessidades de melhoria nas casas de apoio ao índio.

Iniciada a partir da mobilização de comunidades indígenas antes da realização da Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, a primeira fase foi marcada por uma ação de emergência, determinada pelo governo, nos atendimentos de saúde, que chegaram a tribos do estado do Acre. Foram realizados, durante a ação, 2.379 atendimentos médicos, 1.050 odontológicos e 2.201 de enfermagem

    Leia tudo sobre: forças armadasregião amazônicaíndios

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG