Relatório final sobre apagão será divulgado na quarta

Márcio Zimmermann, ministro interino de Minas e Energia, disse que proteção de linha de transmissão em Tocantins causou o blecaute

Agência Estado |

Agência Estado

O ministro interino de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, afirmou que a proteção da linha de transmissão Colinas-Imperatriz, da Transmissora Aliança de Energia Elétrica Taesa, estava desativada. O sistema deveria isolar o equipamento da linha que sofreu um curto-circuito e acabou ocasionando o blecaute em Estados do Norte e Nordeste na madrugada da última sexta-feira (26) , mas estava inoperante.

Leia:
Nordeste e parte do Norte são atingidos por apagão na madrugada
Curto-circuito em subestação no Tocantins pode ser causa de apagão
Governo descarta sabotagem e falta de investimento em apagão

"A proteção primária e alternada não estava operante. Por isso houve o desligamento grande em toda a subestação. Isso (a proteção) evitaria um problema mais sério", afirmou Zimmermann. A empresa, disse, já havia informado que tinha mexido no ajuste da proteção na semana anterior ao apagão.

De acordo com o ministro, a equipe técnica que analisa o problema identificou que o curto danificou uma seccionadora, equipamento que permite fazer o desvio da energia em uma linha de transmissão. A origem do curto-circuito ainda não foi identificada, mas Zimmermann descartou a hipótese de uma descarga elétrica provocada por raios.

"A origem ainda está sendo avaliada. Não existe raio", disse o ministro. Ele participou de uma reunião preparatória do Relatório de Análise de Perturbação na sede do Operador Nacional do Sistema (ONS), com a presença também do diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Nelson Hubner.

O relatório final sobre o apagão será divulgado na quarta-feira (31). Na manhã desta segunda-feira, Zimmermann apresentou à presidente Dilma Rousseff as conclusões obtidas desde a última sexta-feira até agora. O grupo de trabalho está avaliando ainda as causas da demora no religamento do sistema. Segundo Zimmermann, é importante entender o que ocorreu para evitar que a falha volte a se repetir.

Indagado sobre uma possível punição à Taesa, o ministro afirmou que "isso é o normal" nesses casos.

    Leia tudo sobre: apagãofalha elétricanortenordeste

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG