Horário de verão começa neste domingo

Brasileiros das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste e o Estado do Tocantins irão adiantar seus relógios em uma hora. Mudança segue até o dia 17 de fevereiro de 2013

iG São Paulo |

A partir de domingo (21), brasileiros que vivem nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste e o Estado do Tocantins terão de adiantar seus relógios em uma hora. A data está marcada para o início do horário de verão, que vai até 17 de fevereiro de 2013. Segundo informações do Ministério de Minas e Energia, durante a vigência do horário diferenciado, está prevista uma redução média de 5% no consumo no horário de pico, que vai das 18h às 21h.

Horário de verão deve economizar R$ 280 milhões, avalia ONS

Alessandro Buzas/Futura Press
Horário de verão seguirá até o dia 17 de fevereiro de 2013. Na foto, amanhecer no Rio de Janeiro

O horário de verão é adotado em função do aumento da demanda por energia nessa época do ano, resultante do calor e do crescimento da produção da indústria com a aproximação do Natal. O Norte e Nordeste não aderem à mudança porque o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) avaliou que a economia nesses mercados é pouco expressiva, e não justifica a participação.

Mais: Aprenda a barrar o mau humor no horário de verão

Os Estados do Norte e Nordeste não aderem ao horário porque sua posição geográfica não favorece um aproveitamento maior da luz natural no verão, como ocorre nas demais áreas. Por estarem mais próximos da linha do Equador, nesses locais incidem menos raios de luz ao longo do dia nos meses de verão.

A Bahia, que era o único Estado do Nordeste que participava, decidiu não aderir ao horário de verão devido ao alto grau de rejeição da população . A exclusão atenderia a um pedido dos baianos que estariam preocupados com a violência. O decreto publicado no Diário Oficial incluiu o Estado de Tocantins na abrangência do novo horário.

Economia

A aplicação do horário de verão representará economia de R$ 280 milhões no período 2012-2013, segundo avaliação do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). A previsão diz respeito à redução de contratação de valores junto às usinas geradoras termelétricas.

As estimativas do órgão são de economia entre 4% e 4,5% da demanda para o horário de pico, entre 18h e 21h, nos 119 dias em que durará a alteração, ao passo que o Ministério das Minas e Energia e o professor Reinaldo Castro Souza, do Departamento de Engenharia Elétrica do Centro Técnico Científico da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeir, estimam economia entre 5% e 5,5%.

Mais:  Violência e eleição levam Bahia a cancelar horário de verão

Segundo o diretor-geral do ONS, Hermes Chipp, a medida terá repercussão financeira ao consumidor, pois diminui os custos de operação e reflete sobre o valor pago pela energia. A conta do impacto, porém, não é direta. Os valores de contratação oscilam e a compra de energia é feita primeiro entre as geradoras com preços mais baixos.

Acostumando com a mudança

Como ocorre todo ano, há aqueles que não gostam da ideia de perder uma hora de sono. A boa notícia, porém, é que os transtornos podem ser atenuados com pequenas mudanças na alimentação e no horário de ir dormir.

Dicas:  Como dormir bem no calor

De acordo com Luciano Capelli, fisiologista do Centro de Medicina da Atividade Física da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o corpo leva de uma a duas semanas para se adaptar à nova rotina. "Algumas pessoas sofrem mais, outras menos. O ideal é tentar condicionar o corpo a dormir um pouco mais cedo", explica Capelli.

Uma outra dica do médico que pode ajudar na adaptação do organismo ao novo horário é evitar o consumo de alimentos e bebidas que contenham substâncias estimulantes, como café, chás com cafeína (como o preto) e chocolate, entre outros.

"À noite, para ajudar a dormir, a pessoa pode tomar um copo de leite quente, que tem tripotano, um aminoácido que ajuda a relaxar a musculatura, ou chás sem cafeína (como camomila e erva cidreira)", diz Capelli.

    Leia tudo sobre: horário de verãoenergia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG