Ministro vê relação direta entre aumento da frota e mortes no trânsito

O titular da Saúde, Alexandre Padilha, diz que apertar fiscalização é fundamental. Frota de motos subiu de 5 milhões para 16 milhões nos últimos 10 anos no Brasil

BBC Brasil | - Atualizada às

BBC

O crescimento da frota de veículos - em especial a de motocicletas - está contribuindo para o aumento no número de mortes no trânsito do Brasil, que subiu 21% em quatro anos, diz o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Segundo dados do ministério e da Organização Mundial da Saúde (OMS), foram 42.844 mortes no trânsito brasileiro em 2010, contra 35.155 em 2006 - número consolidado mais recente.

Entenda:  Brasil enfrenta "epidemia" de acidentes de trânsito, diz Ministério da Saúde

AE
Trânsito na Estrada do M'boi Mirim na zona sul de São Paulo

"Pela primeira vez o Brasil supera a marca de 40 mil óbitos no trânsito", disse Padilha à BBC Brasil. "O número de mortes aumentou principalmente no Norte e no Nordeste e em cidades do interior. Isso está relacionado ao aumento na frota de veículos, especialmente o de motocicletas."

A frota de motos subiu de 5 milhões para 16 milhões nos últimos dez anos; a de carros passou de 23 milhões para 41 milhões. Em agosto, a venda de veículos no país bateu o recorde de 400 mil unidades, incentivada pela oferta de crédito e a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Mais sobre trânsito:
Número de motociclistas mortos no trânsito cresce 7% em São Paulo
Em São Paulo, 19 pessoas são atropeladas por dia
Mortalidade de motociclistas passa a de motoristas e pedestres 

Também segundo o Ministério da Saúde, houve em 2011 mais de 153 mil internações de vítimas de acidentes de trânsito em hospitais da rede pública, sendo que praticamente a metade (48%) envolveu motociclistas. 

" Isso caracteriza uma situação epidêmica , e as causas mais comuns (dos acidentes) são a direção perigosa e a condução de motos por pessoas alcoolizadas", disse à Agência Brasil a coordenadora Marta Maria Alves, também do ministério.

Padilha afirmou que as mortes violentas (incluindo acidentes e crimes) são a terceira maior causa de óbitos registrados no sistema de saúde brasileiro - atrás apenas de doenças cardíacas e câncer. "Uma das ações fundamentais é apertar a fiscalização dos estados e da lei seca, impedindo que a pessoa que bebeu venha a dirigir e reduzindo em até 30% o número de acidentes", afirmou o ministro.

País 'motorizado'

Para Jorge Tiago Bastos, responsável por uma pesquisa da USP sobre o tema, o crescente aumento da frota não vem acompanhado de mais educação dos motoristas. "Os países desenvolvidos investem mais recursos em segurança do trânsito. Países em desenvolvimento estão mais interessados em aumentar suas economias e incentivar a motorização da população."

A pesquisa de Bastos comparou o número de mortos no trânsito do Brasil com índices de países desenvolvidos, levando em conta o número de veículos do país e o total de quilômetros rodados pela frota.

O Brasil tem uma taxa de 54,8 vítimas fatais para cada bilhão de quilômetros rodados por veículos. No Reino Unido, esse índice é de 3,7 e na Suécia, 3,2. Esses números colocam o Brasil em 8º no ranking da OMS de países onde o trânsito mata mais.

Primeiros socorros

Do lado do governo federal, Padilha explicou à BBC Brasil que a principal aposta para reduzir o número de mortes no trânsito é investir em resgate e primeiros socorros. O governo Dilma Rousseff lançou em agosto um plano de ação que atualmente está em fase de consultas públicas.

Ele inclui, num primeiro estágio, investimentos da ordem de R$ 720 milhões nos próximos dois anos para levar o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) - que hoje opera apenas em grandes cidades - também para as cidades menores do interior do país.

A ideia, segundo Padilha, é treinar socorristas e fornecer equipamentos para que mais procedimentos emergenciais sejam feitos ainda nas ambulâncias - antes da chegada ao hospital. Em uma segunda fase, o ministro diz que pretende integrar e aumentar a capacidade de UPAs (instalações médicas) e de grandes hospitais para tratar pacientes que sofrem traumas.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG