Viagens esporádicas consomem R$ 50,16 por mês das famílias brasileiras, diz IBGE

De acordo com pesquisa Perfil das Despesas no Brasil, diferença entre os gastos com viagens para grupos mais ricos e mais pobres é de quase dezoito vezes

iG São Paulo | - Atualizada às

A despesa média mensal das famílias brasileiras com viagens esporádicas, que são aquelas feitas durante deslocamentos não rotineiros para fora do município, foi de R$ 50,16 entre 2008 e 2009. O número foi divulgado nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) durante o lançamento do estudo Perfil das Despesas no Brasil - Indicadores Selecionados, da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF).

Leia também:

Gasto com habitação é o que mais pesa para todas as famílias brasileiras
Famílias chefiadas por empregadores e funcionários públicos gastam mais
Espíritas gastam mais que o dobro que evangélicos, que lideram em doações
Gastos com remédios consomem 48,6% da despesa com saúde

De acordo com o IBGE, a média mensal de R$ 50,16 engloba todas as classes em todas as regiões brasileiras. Mas de acordo o níveis dos rendimentos pesquisados, a média pode ter ser muito diferente entre os grupos mais pobres e mais ricos. Para as famílias com rendimentos de mais de R$ 3.015,00 mensais, a despesa média foi de R$ 147,63, quase o triplo da média nacional e quase dezoito vezes o gasto estimado para as famílias com renda mensal de até R$ 910,00, que gastaram em média R$ 8,46.

Transporte pesa mais para os mais pobres

Ainda segundo as entrevistas, o transporte correspondeu a 48,7% dos gastos com viagens esporádicas, sendo esse o maior peso em todas as classes de rendimentos, chegando próximo a 70% para os dois primeiros quartos de renda (até R$ 910,00 e entre R$ 910,00 e R$ 1.581,00). O segundo item com maior peso foi alimentação, com 22,6%. Os itens pacotes turísticos (média 12,8%) e alojamento e aluguel de imóveis por temporada (média 11,6%) tiveram participação bem mais significativa nas despesas das famílias do último quarto de renda (mais de R$ 3.015,00), 16,2% e 13,9%.

Maior escolaridade e maior gasto

Na análise das despesas médias mensais familiares com viagens esporádicas por nível de escolaridade, o estudo ainda indica que para as famílias cujo nível de escolaridade da pessoa de referência era de pelo menos o nível médio incompleto, a estimativa de despesa média mensal familiar foi de R$ 187,61, quase quatro vezes a estimativa nacional (R$ 50,16) e mais de oito vezes a estimativa das famílias cuja escolaridade da pessoa referência era o nível fundamental ou menos.

Também se observou que, para as famílias com pessoa de referência no grupo de escolaridade com pelo menos o nível médio incompleto, as participações de pacotes turísticos (19,2%) e alojamento e aluguel de imóveis por temporada (15,0%) eram significativamente maiores do que para aquelas com pessoa de referência com escolaridade de nível fundamental ou menos (4,1% e 5,8%, respectivamente).

Maior despesa nas férias

A pesquisa também relacionou o gasto realizado em viagens com o motivo da viagem. Na análise da distribuição das frequências de despesas com viagens esporádicas por tipo de motivo, o mais frequente foi aquele associado a gastos de viagem foi lazer, recreio e férias (37,9%), seguido por visita a parentes e amigos (22,3%), negócios e motivos profissionais (15,8%) e tratamentos médicos (8%).

Entre as grandes regiões, o motivo lazer, recreio e férias foi o mais frequente nas despesas com viagens esporádicas. Em segundo lugar, foi observada uma diferença. Negócios e motivos profissionais apresentou percentuais significativos nas regiões Norte (26,7%) e Nordeste (22%), enquanto visita a parentes e amigos se destacou no Sudeste (22,6%), Sul (25,4%) e Centro-Oeste (25,5%).

Leia também divulgações do Censo 2010 :
- País de extremos, Brasil tem 190.755.799 habitantes
- Censo revela os extremos do Brasil
- No País em que homens são minoria, Mato Grosso é exceção
- Maranhão é o Estado mais rural do Brasil
- IBGE: Brasil possui 190,7 milhões de pessoas
- População começará a recuar a partir de 2040
- Mais 80% das mortes entre 20 e 24 anos são de homens
- 2,7 milhões de brasileiros não têm energia elétrica
- Famílias estão menores e mais abertas
- Zona rural e idosos elevam taxa de analfabetos
- 10% mais ricos têm 44,5% da renda dos brasileiros
- Homens são 80% das mortes entre 20 e 24 anos
- Pretos e pardos recebem quase a metade que brancos 
- Pela 1ª vez, casas têm mais TV e geladeira que rádio
- Metade não estudou ou não concluiu fundamental
- Comércio e agricultura têm 30% dos trabalhadores
- Menos de 1% ganha mais de 20 salários mínimos
- Mortalidade infantil cai quase 50% em dez anos
- Taxa de fecundidade cai a 1,9 filho por mulher
- Separações crescem cerca de 20% em dez anos
- SP e GO são os Estados que mais recebem migrantes
- Mais de 45 milhões têm alguma deficiência
-
Católicos perdem espaço, mas seguem maior grupo religioso do País
-
Brasileiro vive 25 anos a mais do que em 1960
- Com mais 16 milhões de fiéis em 10 anos, evangélicos são 22,2% dos brasileiros
- 8% dos brasileiros se declaram sem religião
Trabalhadores com deficiência são 23,6% do total de pessoas ocupadas


    Leia tudo sobre: Perfil das Despesas no Brasilibgeviagenspesquisa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG