Boicotes a operações da PF por grevistas serão punidos, diz ministro de Justiça

Agentes, escrivães e papiloscopistas da Polícia Federal não aceitaram a proposta de governo e pretendem boicotar a ações de inteligência e operações de investigação

Agência Brasil |

Agência Brasil

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse nesta sexta-feira (31) que não acredita em boicote de policiais federais a operações em retaliação à falta de acordo salarial com a categoria, mas que eventuais abusos serão punidos.

Leia também:  Policiais federais enfrentam governo e definem calendário de protestos

AE
Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo

Agentes, escrivães e papiloscopistas da Polícia Federal (PF) não aceitaram a proposta de governo, de reajuste de 15,8% parcelados em três anos, e decidiram manter a greve, que começou dia 7 de agosto. Entre as manifestações que a categoria pretende fazer em protesto pela falta de reajuste, está a promessa de boicote a ações de inteligência e operações de investigação da PF.

“Não acredito em boicote, em hipótese alguma. Se por um lado existe o direito democrático de manifestação, o direito de greve, boicote é abuso de poder, é punível pela lei. Confio nos policiais. Mesmo reivindicando, em momento algum descumprirão a lei. Se por ventura, algum policial incorrer em abuso, vamos aplicar a lei”, disse Cardozo após participar da posse do novo ministro do Superior Tribunal de Justiça, Félix Fischer.

Leia também:
Impasse entre governo e servidores continua em 12 categorias
Greve de servidores precisa ter regras, diz ministra do Planejamento

O ministro disse ainda que o governo respeita o direito de reivindicação dos servidores que não aceitaram a proposta de reajuste feita pelo governo, mas que não vai tolerar o que considera abusos. “A negociação acabou. Quem aceitou, aceitou. Quem não aceitou, não aceitou. É legítimo reivindicar, mas não é legítimo incorrer em abusos. Havendo abusos, aplicaremos a lei, tanto do ponto de vista administrativo como do ponto de vista de outras sanções cabíveis”, alertou.

Cardozo declarou que a determinação de corte de ponto dos grevistas está mantida. “O direito de greve é legitimo, mas o governo tem que tomar as medidas administrativas necessárias para aqueles que não comparecem ao trabalho”.

Os servidores querem a reestruturação da carreira e a equiparação salarial com os delegados. Com isso, os salários que variam entre R$ 7 mil e R$ 11 mil podem chegar a R$ 13 mil.

    Leia tudo sobre: PFPolícia Federalgreve dos servidores

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG