Corte de ponto dos servidores em greve poderá ser revisto, diz secretário

Sérgio Mendonça, funcionário do Ministério do Trabalho designado para negociar com os servidores federais em greve, sinaliza rever a decisão caso grevistas aceitem acordo

Agência Brasil |

Agência Brasil

O governo sinalizou neste domingo (26) que poderá rever a decisão de cortar o ponto dos servidores públicos federais em greve há mais de três meses. O secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, disse que, se for fechado um acordo para reposição dos dias parados, não haverá o corte do ponto e poderá haver a devolução do salário cortado.

Leia mais: Governo encerra negociação e dá prazo até terça para acordo com grevistas

Leia também: Servidores rejeitam proposta de aumento de 15,8% e ameaçam ampliar greve

Leia também: Governo se reúne com núcleos mais 'radicais' de grevistas

De acordo com o secretário, a negociação sobre os percentuais de reajuste e a que discute o fim do corte estão sendo feitas separadamente. “Uma é a negociação da reposição do trabalho, das horas [não trabalhadas] que foram decorrentes da greve. Se houver também uma possibilidade de acordo sobre a reposição do trabalho e das horas de trabalho, faremos um acordo também. Mas um acordo não depende do outro”, disse Mendonça.

Leia também: Sindicatos vão ao STF contra corte de ponto de grevistas

Saiba tudo: Leia todas as notícias sobre a greve dos servidores federais

“O governo acenou com esta possibilidade para todas as categorias. Há realmente esta possibilidade”, frisou. O secretário acrescentou que se houver a reposição dos dias parados o governo poderá devolver o salário dos servidores que já foram alvo do corte do ponto.

Desde o mês passado, o governo anunciou que faria o corte do ponto dos trabalhadores em greve. Mesmo com a ameaça do corte, o governo manteve as negociações com os servidores.

Na semana passada, quatro entidades sindicais ajuizaram ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra determinação do governo federal de cortar o ponto dos servidores públicos em greve. Os servidores alegam que, até o momento, não há decisão judicial que tenha declarado a ilegalidade da paralisação da categoria.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG