Ministro da Justiça quer sindicância para identificar os autores do protesto em alguns pontos fechados pela paralisação da PRF

O protesto de policiais rodoviários federais, que entraram em greve na segunda-feira, causou polêmica na terça-feira no governo. Após terem sido proibidos pela Justiça de realizarem operação-padrão, os servidores fixaram cartazes em postos da Polícia Rodoviária Federal (PRF) que anunciam “passagem livre para tráfico de drogas e armas”.

Leia também:  Governo confirma corte de ponto de mais de 11 mil servidores em greve

Posto da PRF está fechado pela paralisação na região da rodovia Dutra, em Penedo, no Rio
José Marcos Coelho/Diário do Vale
Posto da PRF está fechado pela paralisação na região da rodovia Dutra, em Penedo, no Rio

Ao ser informado, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, mandou abrir sindicância para investigar e apontar os autores das faixas. “Parece que são claramente ofensivos à lei. Assinei hoje (ontem) uma determinação para que se abra sindicância para apurar quem são os responsáveis. Comprovada a autoria, vamos aplicar as punições devidas e determinadas pela lei”, disse o ministro.

Policiais federais realizam 'apitaço' no Aeroporto de Congonhas em SP

Segundo Cardozo, o governo federal não vai tolerar ilegalidades por parte dos grevistas. O ministro afirmou que orientou os dirigentes da Polícia Federal e da PRF para que seja aberto processo disciplinar contra os servidores que desobedecerem a lei durante a paralisação das categorias.

Leia também:

Governo repete reajuste de 15,8% para servidores da saúde
“Não faz sentido continuar greve após 31 de agosto”, diz sindicalista
Distorção salarial de servidores mostra desigualdade entre líderes sindicais

Fonte: O Dia

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.