Governo confirma corte de ponto de mais de 11 mil servidores em greve

Segundo o Ministério do Planejamento, 11.495 servidores não tiveram o pagamento do salário referente ao período entre 15 de julho e 15 de agosto

Valor Online |

Valor Online

O Ministério do Planejamento decidiu cortar o ponto de 11.495 servidores por causa da greve parcial dos funcionários públicos federais, informou nesta terça-feira a assessoria do Ministério do Planejamento. A medida implica em não pagamento do salário referente ao período entre 15 de julho e 15 de agosto. "Eles são a categoria, de fato, parada nacionalmente", explicou a assessoria.

Leia também:
Governo repete reajuste de 15,8% para servidores da saúde
“Não faz sentido continuar greve após 31 de agosto”, diz sindicalista
Distorção salarial de servidores mostra desigualdade entre líderes sindicais

O número está bem distante da estimativa da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) de 350 mil servidores paralisados. Neste levantamento não estão incluídos os professores de universidades federais, já que eles são obrigados a repor os dias parados.

Nesta segunda-feira, o presidente da Condsef, Josemilton da Costa, informou que o corte de ponto já constava no contracheque preliminar dos servidores de sua base que aderiram à paralisação. "Nós não queremos corte nenhum, mas nas greves anteriores o corte era de sete dias por mês. Tem de ser pelo menos assim", disse após participar de encontro na Secretaria de Relações de Trabalho (SRT) do Ministério do Planejamento em nome dos servidores grevistas do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).

A categoria rejeitou a proposta de reajuste salarial de 15,8% em três anos e pede "equalização" dos rendimentos dos servidores do Incra e do MDA com os fiscais-agropecuários do Ministério da Agricultura. Costa não soube estimar de quanto seria esse reajuste.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG