Pela segunda vez, agentes intensificam fiscalização nas bagagens e documentação dos passageiros; veja fotos da categoria que está em greve nacional desde o dia 7

Os policiais federais retomaram nesta quinta-feira as operações-padrão em diversos aeroportos do País. Pela manhã, os voos mais afetados foram em Afonso Pena, no Paraná, e Salgado Filho, no Rio Grande do Sul. Durante nesta noite, a ação é feita em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Salvador e provoca filas nos aeroporto. O movimento reivindica a valorização da categoria, que está  em greve desde o dia 7 .

Leia também:
STJ proíbe operações-padrão da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal
Entenda: Sem proposta, agentes da PF prometem 'quinta-feira negra' em aeroportos
Governo diz que policiais federais pedem aumento de 150% e sindicato nega

Passageiros formam fila na embarque no aeroporto de Salgado Filho, em Porto Alegre, no RS
TÁRLIS SCHNEIDER/ACURÁCIA FOTOJORNALISMO/AE
Passageiros formam fila na embarque no aeroporto de Salgado Filho, em Porto Alegre, no RS

Em São Paulo, a operação-padrão começou nesta por volta das 16h30 no Aeroporto Internacional de Guarulhos. Segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), apesar dos pousos e decolagens estarem dentro do normal, a manifestação dos policiais aumentou o tempo de espera dos passageiros que tentaram acessar às salas de embarque dos terminais 1 e 2.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Polícia Federal de São Paulo, Alexandre Santana Sally, o protesto não tem hora para terminar. Ele disse, no entanto, que mesmo em greve, os policiais têm tentado evitar transtornos à população. “A gente está tentando preservar a população o máximo possível”.

A operação-padrão no aeroporto do Galeão começou por volta das 17h. A ação, que ocorre no Terminal 1, onde passageiros embarcam em voos internacionais, causou filas e provocou atrasos em 27 decolagens. No decorrer da operação, os agentes fazem uma minuciosa inspeção nas bagagens de passageiros, além de vistoria pessoal. Durante a ação, cerca de 40 pessoas, entre elas agentes e funcionários administrativos da Polícia Federal, compareceram ao aeroporto. Eles seguraram faixas e cartazes com palavras de ordem.

A operação-padrão provocou transtornos e longas filas no embarque de passageiros no Aeroporto Internacional de Brasília Juscelino Kubitschek. A revista minuciosa das bagagens é o que provoca as filas. A operação teve início às 15h e deve se estendeu até o fim da noite. A fila para embarque de passageiros tomou o salão principal do aeroporto. Veja imagens da fila e da operação-padrão em Brasília:

Para o presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Distrito Federal (Sindipol/DF), Jonas Leal, a operação é o que deveria ser feito todos os dias nos aeroportos brasileiros. “Todas as bagagens passarão pelo raio X e, se necessário, vamos pedir para abrir as malas e fazer a averiguação do conteúdo.”

Em Salvador, a operação-padrão resultou na prisão de um boliviano que estava com cocaína espalhada nas meias e cueca, informou o Sindicato dos Policiais Federais do Estado (Sindipol-Bahia). Ele embarcaria para Portugal. As drogas foram detectadas quando o passageiro passou no aparelho de scanner do aeroporto.

"O escaneamento só pôde ser feito porque hoje havia mais policiais. Os grevistas vieram ajudar. Normalmente o efetivo é de três pessoas, e o escaneamento é feito de maneira casual. Nesta quinta, vieram 15", afirmou a presidente do sindicato, Rejane Peres Teixeira. Hoje, os agentes da PF no aeroporto conferiram documentos e bagagens de mão dos passageiros de voos nacionais e internacionais. A operação foi até as 21h.

Ações pela manhã

Na região de Curitiba, a ação foi iniciada desde o primeiro voo do dia, às 5h30, e todas as bagagens estão sendo revistadas individualmente. Também no Paraná, operação-padrão da Polícia Rodoviária Federal bloqueia a Régis Bittencourt . A ação policial causou atrasos em mais da metade dos voos no terminal pela manhã.

Filas no aeroporto Afonso Pena, no Paraná, que teve dezenas de voos atrasados ou cancelados devido à operação padrão nesta quinta-feira
AE
Filas no aeroporto Afonso Pena, no Paraná, que teve dezenas de voos atrasados ou cancelados devido à operação padrão nesta quinta-feira

A revista minuciosa das bagagens por parte dos policiais causou fila no embarque de passageiros. Esta é a segunda operação dos policiais no Afonso Pena. A primeira, realizada na quinta-feira (9)  passada, causou tumulto e filas. Realizada em horário de pico, a ação atrasou mais de 60% dos voos. Com a fiscalização intensificada, os policiais apreenderam 6 mil comprimidos de ecstasy. 

Reunião: Proposta do governo para policiais federais sai na próxima semana
Operação-padrão causa filas e críticas de passageiros no aeroporto de Guarulhos
Entrevista com o poder: Em semana decisiva, governo muda estratégia para encerrar greve

Em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, 15 agentes iniciaram a ação por volta das 6h30. O vice-presidente do Sindicato dos Policiais Federais (Simpef-RS), Ubiratan Sanderson, afirmou que os agentes fiscalizaram toda a documentação antes de embarque e bagagens dos passageiros que chegavam. "Em dias normais, três terceiros são responsáveis por essa fiscalização. Hoje teremos 15 agentes federais por turno. Isso seria o mínino necessário para uma fiscalização efetiva", disse. 

Em Pernambuco, os policiais federais retomaram a operação-padrão com fiscalização rigorosa dos passageiros dos voos internacionais e suspenderam a solicitação e renovação de passaportes. Nesta quinta-feira, os voos internacionais que decolam do Aeroporto dos Guararapes, no Recife, voltaram a registrar atraso - depois de uma semana de trégua. Pela manhã, o voo da American Airlines deixou a cidade uma hora e 50 minutos depois do horário previsto.

"O que estamos fazendo é o que deveria ser feito rotineiramente", afirmou o presidente do sindicato dos policiais federais no Estado, Marcelo Pires. "A população está sendo levada a engano quando pensa que a fiscalização é eficiente", frisou ele, ao garantir que o método por amostragem, costumeiramente adotado, é falho. 

Em Fortaleza, no Aeroporto Internacional Pinto Martins, a operação iniciada no início da tarde durou três horas. Com a vistoria minuciosa dos passageiros, foi formada uma fila de cerca de 300 pessoas no saguão de acesso para a sala de desembarque. Dois homens foram presos no desembarque vindos de Manaus (AM) com cocaína. Cada um carregava três quilos da droga. A senadora Marta Suplicy (PT-CE), que regressava de uma visita à capital cearense, teve de enfrentar a fila. Apesar do transtorno, houve atraso de apenas um voo, segundo os dados do site da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero).

Tríplice Fronteira

Operação-padrão da Polícia Federal realizada nesta quinta-feira, em Foz do Iguaçu, no Paraná
Christian Rizzi/Gazeta do Povo/Futura Press
Operação-padrão da Polícia Federal realizada nesta quinta-feira, em Foz do Iguaçu, no Paraná

Agentes, escrivães e papiloscopistas federais realizaram operação-padrão nas pontes da Amizade e Tancredo Neves e no aeroporto das Cataratas. Na fronteira com Argentina foram registradas filas com mais de 3 km nos dois sentidos da ponte da Fraternidade. Já na fronteira com o Paraguai, quem desejava sair ou entrar aguardava em filas de mais de 3 horas. No aeroporto, todos os passageiros tiveram suas bagagens inspecionadas e dados consultados no sistema Infoseg.

A delegacia da Polícia Federal em Foz ficou paralisada, inclusive o patrulhamento do lago de Itaipu está suspenso.

PF promete 'quinta-feira negra'

O governo não apresentou proposta às reivindicações da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) nesta quarta-feira (15). Os agentes da PF estão parados desde o início da semana passada e pedem reajuste salarial de 30%, reestruturação da carreira e o afastamento do diretor-geral da PF, Leandro Daiello Coimbra.

O Ministério do Planejamento marcou nova reunião com a Fenapef para a próxima terça-feira, quando deverá apresentar alguma proposta. O resultado frustrou a categoria, segundo o presidente da Fenapef, Marcos Winck. "Haverá uma quinta-feira feira negra", prometeu. 

Servidores parados: Grevistas protestam em frente ao STF e Palácio do Planalto

Os agentes deverão realizar operação-padrão na quinta-feira e na sexta-feira em portos, aeroportos e postos de fronteira. Os horários e como será feita a operação chamada de "Blackout" deve ser definida pelos sindicatos estaduais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.