Polícia Federal retoma operação-padrão em aeroportos e na fronteira do País

Pela segunda vez, agentes intensificam fiscalização nas bagagens e documentação dos passageiros; veja fotos da categoria que está em greve nacional desde o dia 7

iG São Paulo | - Atualizada às

Os policiais federais retomaram nesta quinta-feira as operações-padrão em diversos aeroportos do País. Pela manhã, os voos mais afetados foram em Afonso Pena, no Paraná, e Salgado Filho, no Rio Grande do Sul. Durante nesta noite, a ação é feita em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Salvador e provoca filas nos aeroporto. O movimento reivindica a valorização da categoria, que está  em greve desde o dia 7 .

Leia também:
STJ proíbe operações-padrão da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal
Entenda: Sem proposta, agentes da PF prometem 'quinta-feira negra' em aeroportos
Governo diz que policiais federais pedem aumento de 150% e sindicato nega

TÁRLIS SCHNEIDER/ACURÁCIA FOTOJORNALISMO/AE
Passageiros formam fila na embarque no aeroporto de Salgado Filho, em Porto Alegre, no RS

Em São Paulo, a operação-padrão começou nesta por volta das 16h30 no Aeroporto Internacional de Guarulhos. Segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), apesar dos pousos e decolagens estarem dentro do normal, a manifestação dos policiais aumentou o tempo de espera dos passageiros que tentaram acessar às salas de embarque dos terminais 1 e 2.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Polícia Federal de São Paulo, Alexandre Santana Sally, o protesto não tem hora para terminar. Ele disse, no entanto, que mesmo em greve, os policiais têm tentado evitar transtornos à população. “A gente está tentando preservar a população o máximo possível”.

A operação-padrão no aeroporto do Galeão começou por volta das 17h. A ação, que ocorre no Terminal 1, onde passageiros embarcam em voos internacionais, causou filas e provocou atrasos em 27 decolagens. No decorrer da operação, os agentes fazem uma minuciosa inspeção nas bagagens de passageiros, além de vistoria pessoal. Durante a ação, cerca de 40 pessoas, entre elas agentes e funcionários administrativos da Polícia Federal, compareceram ao aeroporto. Eles seguraram faixas e cartazes com palavras de ordem.

A operação-padrão provocou transtornos e longas filas no embarque de passageiros no Aeroporto Internacional de Brasília Juscelino Kubitschek. A revista minuciosa das bagagens é o que provoca as filas. A operação teve início às 15h e deve se estendeu até o fim da noite. A fila para embarque de passageiros tomou o salão principal do aeroporto. Veja imagens da fila e da operação-padrão em Brasília:

Para o presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Distrito Federal (Sindipol/DF), Jonas Leal, a operação é o que deveria ser feito todos os dias nos aeroportos brasileiros. “Todas as bagagens passarão pelo raio X e, se necessário, vamos pedir para abrir as malas e fazer a averiguação do conteúdo.”

Em Salvador, a operação-padrão resultou na prisão de um boliviano que estava com cocaína espalhada nas meias e cueca, informou o Sindicato dos Policiais Federais do Estado (Sindipol-Bahia). Ele embarcaria para Portugal. As drogas foram detectadas quando o passageiro passou no aparelho de scanner do aeroporto.

"O escaneamento só pôde ser feito porque hoje havia mais policiais. Os grevistas vieram ajudar. Normalmente o efetivo é de três pessoas, e o escaneamento é feito de maneira casual. Nesta quinta, vieram 15", afirmou a presidente do sindicato, Rejane Peres Teixeira. Hoje, os agentes da PF no aeroporto conferiram documentos e bagagens de mão dos passageiros de voos nacionais e internacionais. A operação foi até as 21h.

Ações pela manhã

Na região de Curitiba, a ação foi iniciada desde o primeiro voo do dia, às 5h30, e todas as bagagens estão sendo revistadas individualmente. Também no Paraná, operação-padrão da Polícia Rodoviária Federal bloqueia a Régis Bittencourt . A ação policial causou atrasos em mais da metade dos voos no terminal pela manhã.

AE
Filas no aeroporto Afonso Pena, no Paraná, que teve dezenas de voos atrasados ou cancelados devido à operação padrão nesta quinta-feira

A revista minuciosa das bagagens por parte dos policiais causou fila no embarque de passageiros. Esta é a segunda operação dos policiais no Afonso Pena. A primeira, realizada na quinta-feira (9)  passada, causou tumulto e filas. Realizada em horário de pico, a ação atrasou mais de 60% dos voos. Com a fiscalização intensificada, os policiais apreenderam 6 mil comprimidos de ecstasy. 

Reunião: Proposta do governo para policiais federais sai na próxima semana
Operação-padrão causa filas e críticas de passageiros no aeroporto de Guarulhos
Entrevista com o poder: Em semana decisiva, governo muda estratégia para encerrar greve

Em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, 15 agentes iniciaram a ação por volta das 6h30. O vice-presidente do Sindicato dos Policiais Federais (Simpef-RS), Ubiratan Sanderson, afirmou que os agentes fiscalizaram toda a documentação antes de embarque e bagagens dos passageiros que chegavam. "Em dias normais, três terceiros são responsáveis por essa fiscalização. Hoje teremos 15 agentes federais por turno. Isso seria o mínino necessário para uma fiscalização efetiva", disse. 

Em Pernambuco, os policiais federais retomaram a operação-padrão com fiscalização rigorosa dos passageiros dos voos internacionais e suspenderam a solicitação e renovação de passaportes. Nesta quinta-feira, os voos internacionais que decolam do Aeroporto dos Guararapes, no Recife, voltaram a registrar atraso - depois de uma semana de trégua. Pela manhã, o voo da American Airlines deixou a cidade uma hora e 50 minutos depois do horário previsto.

"O que estamos fazendo é o que deveria ser feito rotineiramente", afirmou o presidente do sindicato dos policiais federais no Estado, Marcelo Pires. "A população está sendo levada a engano quando pensa que a fiscalização é eficiente", frisou ele, ao garantir que o método por amostragem, costumeiramente adotado, é falho. 

Em Fortaleza, no Aeroporto Internacional Pinto Martins, a operação iniciada no início da tarde durou três horas. Com a vistoria minuciosa dos passageiros, foi formada uma fila de cerca de 300 pessoas no saguão de acesso para a sala de desembarque. Dois homens foram presos no desembarque vindos de Manaus (AM) com cocaína. Cada um carregava três quilos da droga. A senadora Marta Suplicy (PT-CE), que regressava de uma visita à capital cearense, teve de enfrentar a fila. Apesar do transtorno, houve atraso de apenas um voo, segundo os dados do site da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero).

Tríplice Fronteira

Christian Rizzi/Gazeta do Povo/Futura Press
Operação-padrão da Polícia Federal realizada nesta quinta-feira, em Foz do Iguaçu, no Paraná

Agentes, escrivães e papiloscopistas federais realizaram operação-padrão nas pontes da Amizade e Tancredo Neves e no aeroporto das Cataratas. Na fronteira com Argentina foram registradas filas com mais de 3 km nos dois sentidos da ponte da Fraternidade. Já na fronteira com o Paraguai, quem desejava sair ou entrar aguardava em filas de mais de 3 horas. No aeroporto, todos os passageiros tiveram suas bagagens inspecionadas e dados consultados no sistema Infoseg.

A delegacia da Polícia Federal em Foz ficou paralisada, inclusive o patrulhamento do lago de Itaipu está suspenso.

PF promete 'quinta-feira negra'

O governo não apresentou proposta às reivindicações da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) nesta quarta-feira (15). Os agentes da PF estão parados desde o início da semana passada e pedem reajuste salarial de 30%, reestruturação da carreira e o afastamento do diretor-geral da PF, Leandro Daiello Coimbra.

O Ministério do Planejamento marcou nova reunião com a Fenapef para a próxima terça-feira, quando deverá apresentar alguma proposta. O resultado frustrou a categoria, segundo o presidente da Fenapef, Marcos Winck. "Haverá uma quinta-feira feira negra", prometeu. 

Servidores parados: Grevistas protestam em frente ao STF e Palácio do Planalto

Os agentes deverão realizar operação-padrão na quinta-feira e na sexta-feira em portos, aeroportos e postos de fronteira. Os horários e como será feita a operação chamada de "Blackout" deve ser definida pelos sindicatos estaduais.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG