Ministro da Justiça diz que greve da PF teve situações de ilegalidade

José Eduardo Cardozo afirmou que casos de abusos em estradas e aeroportos serão investigados. Categoria está em greve nacional desde o dia 7

Agência Brasil |

Agência Brasil

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse nesta quinta-feira que situações de ilegalidade foram identificadas durante a greve de policiais federais no País. Os casos serão analisados e os envolvidos podem ser punidos com medidas disciplinares e judiciais. Segundo Cardozo, os abusos foram identificados em aeroportos e estradas, onde os grevistas fazem as chamadas operações-padrão.

Entenda:  Polícia Federal retoma operação-padrão em aeroportos do PR e RS

“Temos situações que ultrapassaram o limite da legalidade em alguns casos, na semana passada, quando, por exemplo, pessoa aposentada foi a uma unidade de polícia para exercer uma função que não lhe cabe. Isso é, obviamente, uma ilegalidade”, disse.

Para o ministro, o direito de greve deve ser preservado, desde que não “crie obstáculos à população” e não extrapole os limites legais. “Uma coisa é o exercício de um direito, o livre reivindicar, outro coisa é o abuso do direito”, reforçou.

Leia também:

Sem proposta, agentes da PF prometem 'quinta-feira negra' em aeroportos
Operação-padrão bloqueia rodovia Régis Bittencourt no Paraná
- Reunião: Proposta do governo para policiais federais sai na próxima semana

Sobre as negociações para pôr fim à greve, Cardozo informou que a pasta colabora com o Ministério do Planejamento, responsável por apresentar propostas às categorias. “Sem sombra de dúvida, isso tem que fluir para que cheguemos a bons termos”.

O ministro da Justiça fez as declarações durante o 1º Congresso Internacional do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais do Ministério Público de estados e da União.

A Federação Nacional dos Policiais Federais pede a reestruturação da carreira e equiparação salarial com os delegados. Com isso, os salários da categoria, que variam entre R$ 7 mil e R$ 11 mil podem chegar a R$ 13 mil.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG