Segundo presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Wagner Gomes, objetivo é retomar diálogo com o governo, que tem 'se mostrado inflexível'

Valor Online

Cinco centrais sindicais formalizarão nesta segunda-feira apoio à greve dos funcionários públicos federais, de acordo com o presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Wagner Gomes. Além da CTB, ressalta Gomes, CUT, Força Sindical, Nova Central e UGT questionarão, em nota oficial, a forma como o governo está tratando as negociações com os servidores.

Polícia Federal: Em greve, agentes distribuem pizza em aeroporto de Minas Gerais

CUT: Governo erra ao não apresentar proposta para grevistas, diz secretário-geral

Servidores federais em greve marcham no centro do Rio de Janeiro
ALEX RIBEIRO/AE
Servidores federais em greve marcham no centro do Rio de Janeiro

"Nosso objetivo é tentar retomar o diálogo. O governo tem se mostrado inflexível, afirmando que não tem como negociar porque não há recursos disponíveis. A principal preocupação está sendo o superávit primário. É uma opção política", diz. Segundo ele, na próxima quarta-feira, as cinco centrais sindicais se reunirão com o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, e tentarão incluir a greve dos servidores na pauta do encontro. "Esperamos poder discutir essa questão com a presidente Dilma."

Minas Gerais: Protestos de servidores surpeeende discurso de Dilma


Leia também: Servidores públicos federais fazem manifestação no centro do Rio

O presidente da CTB afirma que, a princípio, não está prevista qualquer manifestação em conjunto com os servidores públicos. Porém, ele não descarta tal possibilidade caso as tentativas de negociação sejam frustradas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.