Operação-padrão adotada por cerca de cem policiais rodoviários federais causou congestionamentos em rodovias

Agência Estado

Cerca de cem policiais rodoviários federais do Paraná aderiram nesta quarta-feira à operação padrão que a categoria realiza no País para reajuste salarial e reposição de perdas com a inflação. Um dos pontos escolhidos para a manifestação foi o posto do quilômetro 95 do Contorno Leste, que liga as rodovias BR-277 e BR-376. A ação provocou filas de 15 quilômetros nos dois lados da pista, na região metropolitana de Curitiba.

Leia também: 

Protesto de policiais rodoviários federais trava rodovia Presidente Dutra

Há limitações para atender policiais em greve, diz ministro da Justiça

Também houve operação padrão no interior paranaense, no quilômetro 157 da BR-369, na região de Londrina; no quilômetro 714 da BR-277, em Santa Terezinha do Itaipu; e na região de Foz do Iguaçu, próxima à fronteira com o Paraguai.

O movimento da chamada Operação Colina começou às 8h30. Os veículos que passavam pelos postos foram parados para conferência de documentos dos motoristas e dos automóveis. No caso dos caminhões, as notas fiscais das mercadorias eram averiguadas. Cada vistoria levava de cinco a dez minutos, o que provocou as enormes filas.

No fim da tarde, as pistas foram liberadas. Segundo o Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais no Paraná, a categoria vai esperar o resultado de uma assembleia nesta noite, antes de decidir pelos rumos do movimento.

Rio Grande do Sul

Os protestos dos policiais rodoviários federais interromperam o trânsito na ponte sobre o lago Guaíba, na BR-290, em Porto Alegre, por uma hora, nesta quarta-feira. O Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais do Rio Grande do Sul pede mais investimentos, reabertura de postos fechados e novas contratações.

A previsão inicial era de cinco pontos de protesto, mas apenas Montenegro, na região metropolitana de Porto Alegre, registrou manifestações, com bloqueio de meia hora na BR-386, uma das mais importantes rodovias do Estado para escoamento de produção. Na segunda-feira, o sindicato faz assembleia para decidir sobre a greve, o que pode levar a novos bloqueios nas estradas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.