Acampamento de servidores públicos federais termina, mas greve é mantida

Na reunião de encerramento, os grevistas avaliaram como positiva a semana de protestos na capital federal

iG São Paulo |

Acampados na Esplanada dos Ministérios desde segunda-feira (16), os servidores públicos federais encerraram as manifestações nesta sexta-feira (20) e muitos já estão retornando aos estados de origem. De acordo com a Confederação dos Trabalhadores do Serviço Público Federal (Condsef), as paralisações serão mantidas em todo o País até que as reivindicações do movimento sejam atendidas pelo governo. Na reunião de encerramento, os grevistas avaliaram como positiva a semana de protestos na capital federal.

Leia também:
Governo mantém posição em reunião com grevistas, diz sindicato 
Servidores federais param o trânsito em Brasília para pressionar por negociação
Entidade calcula que 30 órgãos federais estejam paralisados no País
Governo precisa destravar negociações com servidores federais, diz CUT
Governo manda cortar o ponto de servidores federais em greve

Agência Brasil
Servidores públicos federais em manifestação em frente ao Palácio do Planalto, nesta semana

"A expectativa que a gente tinha era de dar visibilidade e demonstrar a força do movimento para o governo", afirmou José Milton Costa, secretário-geral do Condsef. De acordo com ele, por congregar servidores de diversas categorias em greve, a pauta de reivindicações é extensa e variada. Os pedidos principais, no entanto, são reposição da inflação e correção das distorções salariais.

Segundo Costa, 300 mil servidores estão em greve no país, incluindo os funcionários das universidades federais. O secretário-geral destacou que o dia 31 de julho foi fixado como data limite para que o governo federal dê respostas às solicitações das categorias paradas. "Até o momento, não houve propostas concretas", disse.

Janine Teixeira, coordenadora-geral da Federação de Associações e Sindicatos das Universidades Brasileiras (Fasubra), disse que a semana de manifestações serviu para o "o movimento grevista conseguir furar o bloqueio da mídia e reunir o governo". A federação se reúne amanhã (21), às 9h, na Universidade de Brasília (UnB), para decidir as próximas ações da greve. Os professores das universidades federais receberam proposta do governo, mas as assembleias da categoria nos estados têm rejeitado a proposta.

    Leia tudo sobre: servidores federaisgreveacampamento

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG