Relatório da OIT mostra que pobreza no Brasil caiu 36% em 6 anos

Dados da  Organização Internacional do Trabalho apontam que a redução da pobreza em favoreceu 27,9 milhões de pessoas

EFE |

EFE

O nível de pobreza no Brasil diminuiu 36,5% desde 2003 graças a ampliações de planos sociais e progressivos aumentos do salário mínimo, segundo relatório divulgado nesta quinta-feira pelo escritório local da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Leia também: 
Jovens negras têm menos acesso a escola e a trabalho
Trabalho infantil no Brasil caiu entre 2004 e 2009, segundo a OIT

"A redução da pobreza entre os trabalhadores está associada diretamente ao aumento real dos rendimentos do trabalho, à ampliação da cobertura dos programas de distribuição de renda e ao aumento da taxa de ocupação, sobretudo na área do trabalho formal", indica o estudo divulgado pela organização.

Os dados da OIT coincidem, em linhas gerais, com os do governo federal, e apontam que a redução da pobreza em 36,5% favoreceu 27,9 milhões de pessoas, que passaram a fazer parte das camadas mais baixas das classes médias.

Segundo os parâmetros da OIT, são consideradas pobres pessoas cuja renda seja inferior ao salário mínimo, que hoje é de R$ 622 e aumentará, a partir do próximo ano, para R$ 667,75. Entre os planos sociais e de transferência de renda, a OIT destaca o impacto do Bolsa Família, que em 2004 ajudava cerca de 6,5 milhões de famílias e agora chega a 13,3 milhões de famílias, com um investimento que em 2011 foi de a R$ 16,7 milhões.

O relatório aponta que, apesar dos "consideráveis avanços", 8,5% da população brasileira ainda vive em condições de extrema pobreza, com renda mensal inferior a R$ 70. Além disso, o relatório diz que apesar de o Brasil melhorar em termos de formalização do trabalho, calcula-se que cerca de 30% da massa laboral do país ainda presta serviços de maneira informal.

"Em linhas gerais, há uma evolução muito positiva desses indicadores, mas isso não quer dizer que não persistam ainda enormes desafios", indicou a diretora da OIT no Brasil, Laís Abramo.

Entre os desafios, ela citou o caso das mulheres, que em média trabalham anualmente dez dias a mais que os homens, já que em geral continuam a cargo de todas as tarefas do lar, e, além disso, têm mais dificuldades para ascender no mercado de trabalho e ganhar melhores salários.

O relatório sustenta que a população negra persiste como a mais pobre, a menos escolarizada e a que mais tem dificuldades para conseguir empregos de qualidade. A OIT também aponta que o Brasil deve fazer um esforço para dar maiores oportunidades de educação e emprego aos jovens de 15 a 24 anos, entre os quais 18,4% (6,2 milhões de pessoas) não estuda ou trabalha.

    Leia tudo sobre: OITpobrezagoverno federal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG