Governo mantém posição em reunião com grevistas, diz sindicato

Reunião foi marcada após a realização de piquete desde a manhã desta quinta-feira em frente ao Ministério do Planejamento

Valor Online |

Valor Online

A posição do governo em relação à greve dos servidores públicos, de que qualquer resposta será dada somente em 31 de julho e que não há garantia de atendimento às reivindicações, foi mantida após a reunião dos grevistas com o secretário-executivo-adjunto do Ministério do Planejamento, Valter da Silva, e com o secretário de Relações do Trabalho, Sergio Mendonça.

Leia também: 
Servidores federais param o trânsito em Brasília para pressionar por negociação
Entidade calcula que 30 órgãos federais estejam paralisados no País
Governo precisa destravar negociações com servidores federais, diz CUT
Governo manda cortar o ponto de servidores federais em greve

Agência Brasil
Servidores públicos federais que estão acampados na Esplanada dos Ministérios fizeram protesto em frente ao Ministério do Planejamento, nesta quinta-feira

"O governo não foi sensível às nossas demandas", disse o presidente do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), Davi Lobão. Procurado, o ministério não se manifestou.

Na reunião, segundo representantes do Sinasefe, houve pedido de antecipação do estudo de viabilidade orçamentária para a concessão de reajustes salariais aos servidores públicos. Mas isso não foi aceito, segundo Davi Lobão. O estudo será entregue em 31 de julho.

A reunião, que não estava agendada, foi marcada após a realização de piquete desde a manhã desta quinta-feira em frente ao Ministério do Planejamento , o que impediu os funcionários de entrar no prédio. A Polícia Militar estimou que 500 pessoas estiveram concentradas no local.

Participaram da reunião com o Planejamento representantes do Sindicato Nacional de Docentes de Ensino Superior(Andes); da Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores das Universidades Públicas Brasileiras (Fasubra); da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB); da Central Única dos Trabalhadores (CUT); e da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef).

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG