PM apura se policiais possuem ligação com vídeo com imagens violentas no DF

Vídeo divulgado na internet contém imagens de pessoas mortas e feridas supostamente após confronto com agentes das Rondas Ostensivas Táticas Motorizadas do Distrito Federal

Agência Brasil | - Atualizada às

Agência Brasil

O Comando-Geral da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) instaurou sindicância para apurar a possível participação de integrantes da corporação na produção e divulgação de vídeo com imagens de pessoas mortas e feridas supostamente após confronto com policiais das Rondas Ostensivas Táticas Motorizadas (Rotam). A gravação divulgada na internet traz a legenda: "Se tentar fugir da Rotam, vai se dar mal. Se tentar trocar tiro com a Rotam, é assim que vamos responder."

Em São Paulo:  Policiais da Rota são presos após mortes na zona leste de São Paulo

Reprodução da internet
Imagem de abertura do vídeo investigado

Segunda nota, assinada pelo comandante-geral da PMDF, coronel Suamy Santana, as imagens passarão por análise criteriosa. O comunicado destaca também que os policiais militares de Brasília respeitam os direitos humanos. “O comando da PM está procurando construir um novo modelo de gestão policial, orientando suas ações à preservação da vida e da tranquilidade pública e primando pela participação comunitária.”

A manifestação da PMDF ocorre dois dias depois de a imprensa local denunciar que policiais supostamente da Rotam divulgaram na internet o vídeo Dia a Dia da Rotam DF.

Para o presidente da Associação dos Subtenentes e Sargentos da Polícia Militar e Bombeiros do DF, Ricardo Pato, a desmotivação dos policiais militares por causa da remuneração “tem levado alguns a agir sem pensar”. Ele, no entanto, disse que não acredita que a postagem do vídeo tenha sido feita por policiais.

Em seu blog, o presidente da associação recomenda que os policiais tenham cuidado com as postagens feita na rede de computadores, principalmente quando envolverem operações. “Uma postagem infeliz colocada em uma das comunidades durante a operação desencadeada em fevereiro deste ano quase colocou tudo a perder. Tivemos que dar inúmeras explicações por causa disso, naquele momento repercutiu muito mal perante a opinião pública. Essa não é a melhor forma de ajudar. A internet é uma aliada muito importante para nós, desde de que seja usada corretamente.”

    Leia tudo sobre: RotamPolícia MilitarDistrito Federal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG