Patriota: Brasil quer erradicação da pobreza como tema central da Rio+20

Ministro diz que, na presidência da convenção, País vai pôr fim da miséria no "centro das atenções"

Raphael Gomide, iG Rio de Janeiro |

EFE
Patriota também participou nesta sexta-feira (15) da abertura da Cúpula dos Povos
O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, afirmou ao iG que o Brasil, na presidência da Rio+20, pretende colocar a erradicação da pobreza como o tema central da conferência.

Leia também : Brasil assume presidência da Rio+20 e busca solução para impasse até dia 19

É a primeira vez que o Brasil revela qual será o eixo principal de sua atuação na Rio+20 , cuja liderança formal assume nesta sexta (15), ainda sem um documento final acordado. Patriota visitou o Riocentro, sede do evento, nesta sexta-feira, assim como seu antecessor e atual ministro da Justiça, Celso Amorim.

"Pretendemos ter a erradicação da pobreza como tema central. O Brasil é a sexta economia do mundo, mas a renda per capita ainda é mais baixa que a dos países desenvolvidos e tem 16 milhões na miséria; a China tem 200 milhões. Não podemos retroceder nisso: colocar a erradicação da pobreza no centro das atenções", afirmou o ministro.

De acordo com Patriota, ter a erradicação da pobreza como foco central da Rio+20 tem relação com dois dos princípios estabelecidos na Rio 92. O princípio número 1 é que "os seres humanos estão no centro das preocupações com o desenvolvimento sustentável" e outro - muito polêmico - o das responsabilidades comuns, mas diferenciadas, para cada país.

"O resultado da Rio+20 tem de apelar para a responsabilidade coletiva, com todos assumindo sua parcela de responsabilidade. O Brasil pretende inspirar filosoficamente esse debate, e já o faz,naturalmente, com a liderança pelo exemplo e com o relacionamento com todos os países-membros da ONU. É isso o que vamos fazer nos próximos dias", disse Patriota.

    Leia tudo sobre: Rio+20Rio20

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG