Mais seis policiais da Rota são afastados em São Paulo

Dois tenentes, um sargento, um cabo e dois soldados estão à disposição de oficiais na sede da Corregedoria da Polícia Militar

AE |

selo

Seis policiais das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) foram afastados de suas funções de rua na terça-feira, após terem participado de uma ação da tropa que terminou com a morte de seis suspeitos em um estacionamento da zona leste da capital paulista. Dois tenentes, um sargento, um cabo e dois soldados, integrantes da viatura 91181, estão à disposição de oficiais na sede da Corregedoria da Polícia Militar, na Luz, no centro. Os PMs estão prestando esclarecimentos sobre a ocorrência, já que os depoimentos deles teriam contradições.

EDISON TEMOTEO/AE/AE
Agentes receberam denúncia anônima e surpreenderam reunião do PCC
A Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou que os policiais não estão presos. Eles ficam durante o dia na Corregedoria e podem ir para a casa à noite. A sala da imprensa da PM havia divulgado quarta-feira que os policiais estavam recolhidos e iriam "cumprir prisão disciplinar por até cinco dias'. Nesta quinta-feira, a corporação apresentou outra versão e disse que eles só não podem trabalhar na rua e apenas cumprem "expediente administrativo".

Leia também: Policiais da Rota são presos após mortes na zona leste de São Paulo

Até a tarde de anteontem, a Corregedoria da PM tinha divulgado apenas a prisão em flagrante de outras três pessoas: um soldado, um cabo e um sargento. Os três foram detidos por homicídio doloso (com intenção) e estão presos no Presídio Militar Romão Gomes, na zona norte. Segundo explicou o comandante da Rota, Salvador Madia, a operação começou às 21 horas de segunda-feira depois que o Batalhão de Choque recebeu uma denúncia de que um grupo de criminosos estava reunido em um estacionamento da zona leste para planejar o resgate de um preso do Centro de Detenção Provisória do Belém.

Leia também: Criminosos impõem toque de recolher em Cidade Tiradentes

Com a informação, 24 homens da Rota - em seis equipes - chegaram ao local e, segundo Madia, foram recebidos a tiros. Seis suspeitos morreram, três pessoas foram presas e pelo menos cinco fugiram. Um dos homens mortos no suposto confronto com a Rota foi visto por uma moradora sendo agredido perto da Rodovia Ayrton Senna. A testemunha ouviu tiros e ligou para o 190 da Polícia Militar, narrando a cena em tempo real para o operador, o que possibilitou a prisão dos três policiais da Rota em flagrante.

    Leia tudo sobre: rotapccmortecrime

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG