Goiânia e BH têm melhor infraestrutura entre as maiores cidades do País

Entre as 15 cidades brasileiras com mais de um milhão de habitantes, capital de Goiás é a campeã. Belém tem piores índices

iG São Paulo |

A qualidade de vida de uma população pode ser medida pelo nível de infraestrutura que a cidade onde mora possui. E segundo dados coletados pelo Censo 2010, divulgado nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os moradores de Goiânia e Belo Horizonte são os que vivem na melhores condições no País, entre os quinze maiores municípios do Brasil.

Leia também:

Maiores cidades têm mais infraestrutura e problemas ambientais, revela Censo

Crianças e adolescentes estão mais expostos a riscos para a saúde, diz IBGE

Pesquisa do IBGE mostra carência de verde em cidades

12% da população vive em área com esgoto a céu aberto

No estudo liberado nesta sexta-feira, o Censo 2010 analisou a presença de iluminação pública, pavimentação, meio-fio/guia, calçada, rampas para cadeirantes, arborização, identificação das ruas, bueiro/boca de lobo, esgoto a céu aberto e lixo acumulados nas ruas. Goiânia atingiu o melhor índice em seis dos dez itens analisados. Belo Horizonte foi campeão em dois.

MUNICÍPIOS Identificação de rua Iluminação Pavimentação Arborização Bueiros Lixo nas ruas Esgoto a céu aberto Meio-fio Calçada Rampa
São Paulo 92,8 97,6 97,2 75,4 52,0 4,1 3,9 93,9 93,4 9,2
Rio de Janeiro 84,1 96,0 93,8 72,2 84,6 4,5 5,1 89,9 88,0 8,9
Salvador 81,7 96,5 90,1 40,0 44,2 4,8 4,9 62,4 63,5 2,2
Brasília 64,4 98,2 93,2 37,2 66,5 4,0 3,8 91,7 78,2 16,5
Fortaleza 63,5 97,9 90,1 75,2 16,5 7,7 19,3 72,9 83,4 1,6
Belo Horizonte 81,5 98,9 98,2 83,0 45,3 2,8 1,4 95,3 94,0 9,6
Manaus 43,6 95,8 93,8 25,1 46,3 6,2 20,2 77,8 52,9 2,5
Curitiba 93,6 96,2 94,7 76,4 84,3 5,7 2,6 79,2 66,9 12,6
Recife 61,1 97,2 81,1 60,8 54,3 5,6 16,7 76,3 74,9 4,6
Porto Alegre 66,1 94,0 88,0 82,9 77,8 6,0 5,2 82,9 77,1 23,3
Belém 35,5 93,7 69,6 22,4 53,2 10,4 44,5 53,1 51,2 2,7
Goiânia 94,1 99,6 98,1 89,5 53,1 2,6 0,5 97,5 88,8 10,2
Guarulhos 89,6 96,7 91,7 72,4 37,4 4,7 3,8 92,8 90,4 2,4
Campinas 89,1 98,1 90,1 88,4 58,6 3,6 5,3 89,3 87,6 6,5
São Luis 61,1 97,3 76,4 32,7 17,1 6,3 33,9 60,4 65,8 1,9
BRASIL 60,5 96,3 81,7 68,0 41,5 5,0 11,0 77,0 69,0 4,7
IBGE

Na análise dos quinze municípios com mais de 1 milhão de habitantes no País, Goiânia possui os mais altos índices em identificação das ruas (94,1%), iluminação pública (99,6%), meio fio/guia (97,5%) e arborização (89,5%), além de atingir o mais baixo – e melhor – em domicílios com esgoto a céu aberto (0,5%) e lixo acumulado nas ruas (2,6%). Belo Horizonte apresentou os melhores percentuais em pavimentação (98,2%) e calçada (94,0%). No outro extremo, Belém apresentou os piores índices para domicílios em esgoto a céu aberto (44,5%) e lixo acumulado nas ruas (10,4%).

Entre os itens que foram investigados no Brasil, apresentaram as maiores incidências iluminação pública (96,3%), pavimentação (81,7%) e meio-fio/guia (77,0%). O percentual mais baixo foi registrado para as rampas para cadeirante, com 4,7%.

Segundo o Censo 2010, iluminação pública também o item foi o que apresentou e menor distância entre as grandes cidades no País, com todas as cidades com índices acima de 93,7%. As demais características apresentaram oscilações mais significativas, sendo que identificação da rua variou de 94,1%, em Goiânia, e 93,6%, em Curitiba, a 35,5% em Belém. O destaque negativo entre as grandes cidades brasileiras está na baixa incidência de rampas para cadeirantes: Porto Alegre teve o maior índice (23,3%) e Fortaleza com a menor (1,6%).

Pelo ranking de 2010, as cidades mais arborizadas do País eram Goiânia (89,5% dos domicílios), Campinas (88,4%) e Belo Horizonte (83,0%), enquanto Manaus (25,1%) e Belém (22,4%) apresentaram os menores percentuais nesta característica. Brasília apresentou 37,2% de arborização. A presença de bueiro/boca de lobo variou significativamente nos municípios selecionados, onde a sua existência apresentou as mais altas proporções no Rio de Janeiro (84,6%) e em Curitiba (84,3%) e as mais baixas em Fortaleza (16,5%) e São Luís (17,1%). Das características do entorno pesquisadas, essa foi a única onde o desempenho de Goiânia não se destacou (53,1%).

Em relação ao esgoto a céu aberto e ao depósito de lixo nas ruas as proporções mais baixas estavam mais fortemente presentes em municípios das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, com destaque novamente para Goiânia e Belo Horizonte. As proporções mais altas em relação ao esgoto a céu aberto predominavam em municípios no Norte e Nordeste. A existência de lixo nos logradouros, por sua vez, englobava municípios das regiões Norte, Nordeste e também da região Sul, com 6,0% em Porto Alegre e 5,7% em Curitiba.

Outras divulgações do Censo 2010:
-
País de extremos, Brasil tem 190.755.799 habitantes
-
Censo revela os extremos do Brasil
-
No País em que homens são minoria, Mato Grosso é exceção
-
Maranhão é o Estado mais rural do Brasil
-
IBGE: Brasil possui 190,7 milhões de pessoas
-
População começará a recuar a partir de 2040

-
Mais 80% das mortes entre 20 e 24 anos são de homens
-
2,7 milhões de brasileiros não têm energia elétrica
-
Famílias estão menores e mais abertas
-
Zona rural e idosos elevam taxa de analfabetos
-
10% mais ricos têm 44,5% da renda dos brasileiros
-
Homens são 80% das mortes entre 20 e 24 anos
-
Pretos e pardos recebem quase a metade que brancos
- Pela 1ª vez, casas têm mais TV e geladeira que rádio
-
Metade não estudou ou não concluiu fundamental
-
Comércio e agricultura têm 30% dos trabalhadores
-
Menos de 1% ganha mais de 20 salários mínimos
-
Mortalidade infantil cai quase 50% em dez anos
-
Taxa de fecundidade cai a 1,9 filho por mulher
-
Separações crescem cerca de 20% em dez anos
-
SP e GO são os Estados que mais recebem migrantes
-
Mais de 45 milhões têm alguma deficiência

    Leia tudo sobre: ibgecenso 2010domicíliosgoiâniabelo horizonte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG