Aderiram à paralisação os trabalhadores das cidades de Belo Horizonte, Maceió, João Pessoa, Natal e do Recife, atendidas pela Companhia Brasileira de Transportes Urbano

selo

Greve dos metroviários em BH lota ônibus da cidade
AE
Greve dos metroviários em BH lota ônibus da cidade
Cinco capitais brasileiras estão com a circulação dos trens dos metrôs comprometida nesta terça-feira devido a uma paralisação promovida pelos trabalhadores. O motivo seria a negativa do governo federal em dar um reajuste salarial. Aderiram à paralisação os trabalhadores das cidades de Belo Horizonte, Maceió, João Pessoa, Natal e do Recife, atendidas pela Companhia Brasileira de Transportes Urbanos (CBTU). Nessas cidades o número de trens em circulação foi reduzido.

Greve dos metroviários gera prejuízo de R$ 4 milhões a lojistas de Belo Horizonte

A presidente do Sindimetro de Minas Gerais, Alda Lucia Fernandes dos Santos, contou que as reuniões de negociações do reajuste começaram em 21 de março e se estenderam até 8 de maio. "Como a CBTU e o Governo Federal mantiveram a proposta de dar reajuste zero, o sindicato e a categoria decidiram colocar em prática a paralisação", conta Alda.

Em Belo Horizonte, 230 mil usuários do metrô foram afetados pela paralisação, segundo o sindicato, mesmo com a frota operando 100% nos horários de pico, conforme determinou a Justiça. Em Recife, a paralisação começou às 22 horas de segunda-feira. Segundo o presidente do Sindimetro de Pernambuco, Lenival José de Oliveira, os 275 mil usuários que passam diariamente pelas 36 estações são atendidos apenas das 5h às 9h e das 16h às 20h.

Em João Pessoa, na Paraíba, os trens ficaram parados desde a 0h desta terça-feira e 30% da frota opera nos horários de pico. O presidente do Sindimetro do Estado, José Cleofas Brito, disse que o sindicato acata as condutas que a Procuradoria do Trabalho implantou, sobre o funcionamento dos trens em horários específicos, mas que as 11 estações da capital manterão o protesto até que a empresa CBTU apresente algum índice de reajuste salarial.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.