Amapá faz mutirão de cirurgias plásticas em vítimas de escalpelamento

Acidentes com mutilações do couro cabeludo, orelhas ou partes do rosto são frequentes em barcos no Estado; 120 aguardam tratamento

Agência Brasil |

Aproximadamente 60 mulheres, homens e crianças vítimas de escalpelamento no Amapá serão beneficiados por um mutirão de cirurgias reconstrutoras que começa nesta sexta-feira. Ao todo, 41 voluntários entre cirurgiões, residentes e anestesistas participam da ação, que vai até amanhã (12).

O vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Luciano Ornelas Chaves, explicou que o escalpelamento é uma lesão considerada grave porque as vítimas têm o couro cabeludo, as orelhas e outras partes do rosto arrancados total ou parcialmente.

Leia também: Três meninas são escalpeladas em barcos no Pará

Os acidentes acontecem em embarcações artesanais que têm o motor descoberto e localizado no centro para ajudar no equilíbrio. Quando mulheres, homens ou crianças de cabelos longos se abaixam para tirar água do fundo do barco, os fios se enroscam no eixo e ocorrem as mutilações.

“Sem dúvida é um grave problema não só no Amapá, mas em toda a região amazônica”, disse. É a primeira vez que o estado recebe um mutirão de cirurgias reparadoras desse tipo. A estimativa é que, apenas no Amapá, 120 pessoas tenham sido escalpeladas e aguardem tratamento.

De acordo com Chaves, as cirurgias são feitas em duas etapas. Na primeira, é colocada uma prótese expansora do couro cabeludo. Sessenta dias depois, a equipe de voluntários deverá retornar ao estado para fazer a retirada da prótese.

No ano passado, um mutirão semelhante atendeu 40 pacientes escalpelados no estado do Pará, que já registrou cinco acidentes apenas entre janeiro e fevereiro deste ano.

    Leia tudo sobre: mutilaçãoescalpelamentomutirãocirurgia plásticaamapá

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG