Segundo o Censo, taxa da óbitos de crianças menores de 1 ano caiu de 29,7‰ em 2000 para 15,6‰ em 2010

A taxa de mortalidade no Brasil segue a tendência de queda dos últimos anos e caiu 47,6% no Censo 2010 em relação ao índice de coletado em 2000. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou novos dados da pesquisa nesta sexta-feira, a taxa de mortalidade infantil brasileira caiu de 29,7‰ do Censo de 2000 para 15,6‰ em 2010, isto é, 15,6 óbitos de crianças menores de 1 ano para cada 1.000 nascidos vivos.

De acordo com o IBGE, os principais condicionantes econômicos e sociais da mortalidade infantil que atuaram na queda histórica desse indicador no Brasil estão ligados a intervenções na área de políticas públicas, especialmente no campo da medicina preventiva, de saneamento básico, na ampliação dos programas de saúde e campanhas de vacinação.

O declínio mais acentuado dessa taxa, no período 2000/2010, foi observado na região Nordeste, 58,6%, e o menor, na região Sul, 33,5%. Essa última região já apresentava níveis relativamente baixos de mortalidade infantil.

Apesar dos altos declínios observados, ainda falta certa distância a percorrer para que o Brasil se aproxime dos níveis de mortalidade infantil das regiões mais desenvolvidas do mundo, em torno de cinco óbitos de crianças menores de 1 ano de idade para cada 1 000 nascidos vivos.

Declínio mais acentuado da queda da taxa de mortalidade foi registrado no Nordeste
Getty Images
Declínio mais acentuado da queda da taxa de mortalidade foi registrado no Nordeste
Outras divulgações do Censo 2010:
-
País de extremos, Brasil tem 190.755.799 habitantes
-
Censo revela os extremos do Brasil
-
No País em que homens são minoria, Mato Grosso é exceção
-
Maranhão é o Estado mais rural do Brasil
-
IBGE: Brasil possui 190,7 milhões de pessoas
-
População começará a recuar a partir de 2040

-
Mais 80% das mortes entre 20 e 24 anos são de homens
- 2,7 milhões de brasileiros não têm energia elétrica
-
Famílias estão menores e mais abertas
-
Zona rural e idosos elevam taxa de analfabetos
-
10% mais ricos têm 44,5% da renda dos brasileiros
-
Homens são 80% das mortes entre 20 e 24 anos
-
Pretos e pardos recebem quase a metade que brancos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.